Argentina está melhor com coronavírus do que com Macri, diz Fernández

Os argentinos já entravam em seu terceiro ano de recessão quando chegou a pandemia. E podem ter a quarentena mais longa do mundo

Neste domingo, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, comemorou dados que apontam uma possível recuperação da atividade industrial do país. E aproveitou para criticar o governo anterior em entrevista: "A Argentina se saiu melhor com o coronavírus do que com o governo de Mauricio Macri".

O presidente argentino considerou o efeito positivo de medidas emergências de indenização e contra demissões nos últimos meses. No entanto, Fernández reconheceu que é possível que a pobreza no país tenha aumentado desde março.

Os argentinos já entravam em seu terceiro ano de recessão e encaravam inflação galopante e crise fiscal quando veio a pandemia. O país caminha, agora, para o pior momento econômico dos últimos 20 anos.

Em meio a esse cenário, a necessidade por caixa em dólares se tornou mais urgente do que nunca, depois que a renegociação da dívida internacional argentina foi anunciada, há duas semanas.

Além de precisar honrar o compromisso, a Argentina precisa reunir esforços para sobreviver à mais longa quarentena do mundo. O país está praticamente fechado há cerca de 160 dias, em função da dificuldade para conter a disseminação da covid-19 em seu território, onde mais de 6 mil pessoas já morreram após contrair a doença.

Os dados do segundo trimestre do EPH, que mede índices de pobreza, inadimplência e desemprego na Argentia, serão divulgados em setembro. De acordo com o presidente, os resultados mostrarão um ritmo de recuperação do país. "A atividade industrial está produzindo mais hoje do que produzia em 19 de março (quando começou a quarentena)", disse.

Telecomunicações

Na sexta-feira, 21, o presidente anunciou o congelamento das tarifas dos serviços de telefonia celular e fixa, o serviço de internet e de TV paga até 31 de dezembro. “Decidimos declarar os serviços de telefonia celular, de serviços de internet e televisão por assinatura de interesse público. Desta forma, garantimos o acesso a eles para todos”, disse Fernández.

A prática não é uma exclusividade de governos de esquerda no país. Em 2017, o então presidente liberal de direira Mauricio Macri, anunciou uma série de medidas com o objetivo de conter a inflação elevada do país, emtre elas, o congelamento de preços de cerca de 60 produtos básicos e de tarifas de serviços públicos. Na época, a taxa de inflação era de 54,7% ao ano. Agora, a taxa gira em torno de 42% ao ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também