Marketing

Vídeos geram mais compras do que anúncios estáticos, aponta estudo

A empresa de análise de dados VidMob também analisou outras características que poder melhorar os resultados dos anunciantes

Anúncio em vídeo pode ter melhor performance, segundo estudo  (Vivale/Getty Images)

Anúncio em vídeo pode ter melhor performance, segundo estudo (Vivale/Getty Images)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 11 de novembro de 2020 às 09h00.

A empresa de análise de dados VidMob lançou um estudo sobre o impacto dos anúncios de vídeos nas redes sociais com o objetivo de entender o perfil de consumo de conteúdo em ações de marketing.

O que os empreendedores de sucesso têm em comum? Inovação será a chave de 2021. Fique por dentro em nosso curso exclusivo 

Após analisar 8.366 anúncios de varejo e e-commerce nas redes sociais, totalizando mais de 1,67 bilhão de impressões de 429 campanhas promovidas por 35 marcas, constatou-se que os anúncios em vídeo nas principais plataformas de redes sociais gerou uma taxa de compra 48% maior do que anúncios estáticos.

"A pesquisa mostrou que os vídeos chamam mais atenção de pessoas que estão olhando os diferentes conteúdos em suas timelines. E a conversão para a compra se intensifica a medida que o e-commerce cresce no país", diz Miguel Caeiro, presidente da divisão Latam da VidMob.

Segundo o executivo, as marcas não necessariamente precisam se preocupar em produzir vídeos longos e complexos, mas sim com o conteúdo. Vídeos de até 15 segundos geram conversão até 148% maior do que vídeos de um a cinco segundos, e os anúncios que apresentam texto em seus primeiros segundos convertem até 46% mais do que vídeos sem texto.

"Vídeos com mensagem de sofrimento, por exemplo, de analgésicos, são mais facilmente rejeitados. Percebemos também que chamar para uma ação funciona melhor do que mostrar o produto", diz. As palavras utilizadas devem ser cuidadosamente escolhidas: “compre”, por exemplo, tem uma taxa média de conversão em vendas até cinco vezes maior do que palavras como “adquira” ou “encontre”.

Segundo a empresa, ao usar inteligência artificial para cruzar elementos publicitários com sua performance nas redes sociais, é possível entender a reação dos consumidores ao analisar cada segundo do vídeo e identificar, por exemplo, se ele passa a ser frequentemente rejeitado no mesmo tempo. Assim, é possível analisar a mensagem que foi passada até então e o que ocasionou o aceite ou não da propaganda.

 

Acompanhe tudo sobre:Anúncios publicitáriosestrategias-de-marketingVídeos

Mais de Marketing

Google decide manter cookies; entenda o que isso significa para os anunciantes

Adidas tira do ar campanha com Bella Hadid após protestos

Morre aos 80 anos Jaques Lewkowicz, fundador da agência Lew'Lara

Os times de futebol mais valiosos do Brasil e do mundo em 2024

Mais na Exame