A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Universo trans: transfobia é mais citada, mas visibilidade positiva cresce

Pesquisa Universo Trans mostra as narrativas protagonizadas por pessoas trans nas redes sociais. Intenção é incentivar escuta e inclusão em marcas e empresas para além do Mês do Orgulho LGBTI+

Com a intenção de mapear e compreender as narrativas protagonizadas por pessoas trans nas redes sociais, as empresas de marketing Zygon e Nhaí e agência de conteúdo Casé Fala coletaram 164,93 mil publicações e 5,5 milhões de interações no Twitter em cinco meses.

O resultado está na pesquisa Universo Trans, que aponta um recorte social e mostra que 70% das pessoas trans ou travestis pretas e periféricas falam mais sobre racismo associado a temas como corpo e transição, oportunidade e identidade, do que sobre os demais assuntos que permeiam seus estilos de vida.

Além deste dado, a pauta mais debatida é a transfobia com 88,6% das menções, seguido de identidade 4,78%, luta e aceitação 4,03%, oportunidade 1,51% e corpo e transição 1,07%. “Com estes dados, foi possível ver as diferentes nuances sobre o que se fala online a respeito do universo trans. Há predominância, ainda, de relatos de transfobia, mas vemos como outras pautas estão em crescimento”, duz Lucas Reis, CEO da Zygon.

Já identidadefoi o segundo assunto mais debatido e teve um aumento de 133% no período da pesquisa. Só o termo “pronome” aparece em mais de 25% de todos os conteúdos relacionados à identidade.

“Além de existir uma imposição de padrão estético no corpo trans, tem também a sua objetificação e exigência de servir como um marcador social. O processo de aceitação e de assumir-se perante a sociedade é algo mais difícil para pessoas negras e periféricas”, afirma Raquel Virgínia, fundadora da Nhaí!

Ainda de acordo com dados da pesquisa, o tema oportunidade teve maior número de tweets realizados no dia 29 de janeiro de 2021, dia da Visibilidade Trans e Travesti. E ao longo do tempo ganhou força, apresentando uma taxa de engajamento 22% superior em média. Entre as publicações, 31% está em busca de oportunidade e 47% busca visibilidade, os demais abordam assuntos como empreendedorismo.

Visibilidade 

Há também um pico, com 33 mil tweets, em 17 de maio, Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, com exigências de igualdade, respeito, contra a discriminação e violência. Outra questão muito comentada foi a participação da esteticista Ariadna Arantes, uma mulher trans, no reality No Limite, levantando menções sobre a importância da representatividade na mídia.

A pesquisa mostrou ainda que posts sobre oportunidades engajam 22% a mais que posts sobre casos de transfobia. “Isso mostra a importância da inclusão de pessoas trans no mercado de trabalho, o quanto querem, procuram e engajam no assunto”, afirma Raquel Virgínia.

A interseccção também importante para a visibilidade positiva das pessoas trans. “Atualmente se fala sobre a importância da diversidade, mas para evoluir é necessário ter um olhar atento e mais profundo para questões de raça e gênero. A pesquisa colabora para avançar com a pauta para além do mês do Orgulho LGBTQIA+, ao incentivar a evolução e inclusão de pessoas trans estrategicamente nos negócios”, dizem Patrícia Casé e Fabiana Oliva, cofundadores da Casé Fala.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também