Acompanhe:

Análise fundamentalista: veja como funciona

A análise fundamentalista usa dados públicos para avaliar o valor de uma ação ou qualquer outro tipo de título

 (Germano Lüders/Exame)

(Germano Lüders/Exame)

J
Jerson Zanlorenzi*

29 de julho de 2021, 11h36

A chamada “temporada de balanços” é uma época em que o mercado volta todas as atenções para os resultados das empresas. Hoje vamos entender os motivos.

A essência do mercado de capitais: os investidores desejam se tornar sócios de empresas, que possuem potencial de crescimento ou distribuição de dividendos, e uma das estratégias mais eficazes para ter sucesso é analisar e projetar os balanços contábeis das companhias.

Esses documentos possuem detalhes minuciosos de toda a situação financeira e operacional da empresa e normalmente são auditados (processo de conferência dos dados apresentados) por pessoas especializadas nessa função, trazendo segurança para o sistema.

Existe a figura do “analista” dentro do mercado financeiro -- profissionais focados em analisar esses números, conversar com a empresa e projetar quanto será o resultado dela nos próximos anos. Essa metodologia que une métodos quantitativos e qualitativos chega ao famoso “preço-alvo” dos papéis para os próximos meses.

Um ponto importante é que a análise fundamentalista usa dados públicos para avaliar o valor de uma ação ou qualquer outro tipo de título. Por exemplo, um investidor pode realizar uma análise do valor de um título observando os fatores econômicos, como as taxas de juros e o estado geral da economia, e então estudar informações sobre o emissor do título, como possíveis mudanças em sua classificação de crédito.

Dentre os relatórios contábeis utilizados pelo mercado, os principais são:

Balanço Patrimonial: O balanço representa um registro dos ativos, dos passivos e do patrimônio de uma empresa em um determinado momento. O balanço é identificado pelo fato de que a estrutura financeira de uma empresa se equilibra da seguinte maneira: Ativos = Passivos + Patrimônio Líquido.

Ativos representam os recursos que a empresa possui ou controla em um determinado momento. Isso inclui itens como dinheiro, estoque, maquinário e edifícios. O outro lado da equação representa o valor total do financiamento que a empresa utilizou para adquirir esses ativos. O financiamento vem como resultado de passivos ou patrimônio líquido.

Os passivos representam dívidas (que obviamente devem ser pagas), enquanto o patrimônio líquido representa o valor total do dinheiro com o qual os proprietários contribuíram para o negócio -- incluindo os lucros retidos, que é o lucro obtido nos anos anteriores.

Demonstração de Resultados (DRE): Enquanto o balanço patrimonial apresenta uma abordagem instantânea ao examinar um negócio, a demonstração de resultados mede o desempenho de uma empresa em um período específico. Tecnicamente, você poderia ter um balanço de um mês ou até um dia, mas só verá o relatório das empresas públicas trimestral e anualmente.

A demonstração do resultado apresenta informações sobre receitas, despesas e lucros gerados como resultado das operações da empresa naquele período.

Demonstração dos Fluxos de Caixa: A demonstração dos fluxos de caixa representa um registro de entradas e saídas de caixa de uma empresa durante um período.

Esse tipo de análise, diferentemente da análise técnica, tem normalmente foco no longo prazo, dado que medidas como novos produtos, novas fabricas ou aquisições são estratégias que requerem tempo para retornar como resultado para a empresa.

*Jerson Zanlorenzi é o responsável pela mesa de ações e derivativos do BTG Pactual Digital. Já foi estrategista de ações e trabalhou em fundos exclusivos. Com mais de dez anos de experiência no mercado financeiro, se especializou em renda variável e atuou em mesas relevantes no mercado local. Possui dupla graduação em Administração e Ciências Contábeis pelo IBMEC-RJ.