Invest

Petrobras, Casas Bahia, Amazon, Santander e PIB da zona do euro: os assuntos que movem o mercado

O mercado também acompanha o primeiro dia da reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos), além de divulgação de dados de emprego no Brasil e avanços no cessar-fogo em Gaza

Radar: mercado repercute dados operacionais de Petrobras (PETR4) (Agência Petrobras/Divulgação)

Radar: mercado repercute dados operacionais de Petrobras (PETR4) (Agência Petrobras/Divulgação)

Rebecca Crepaldi
Rebecca Crepaldi

Repórter de finanças

Publicado em 30 de abril de 2024 às 08h37.

Às vésperas do feriado do Dia do Trabalho, o Ibovespa futuro sobe nesta terça-feira, 30. Na contramão, a maioria dos índices europeus caem no pré-mercado, de olho na divulgação de dados econômicos, como o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro. Nos Estados Unidos, todos os principais índices americanos também recuam, à espera de balanços da Amazon e início da reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). Já na Ásia, as bolsas fecharam sem direção única, enquanto investidores digerem números conflitantes da manufatura chinesa.

Petrobras (PETR4)

Investidores repercutem dados da prévia operacional divulgada por Petrobras (PETR4) na noite de segunda, 29. A petroleira produziu 2,776 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) no primeiro trimestre de 2024, o que corresponde a um aumento de 3,7% em comparação com a produção do mesmo período do ano anterior.

Quando comparado com o trimestre imediatamente anterior, a produção foi menor (5,4%). Segundo a estatal, o motivo foi um maior volume de perdas por paradas e manutenções. No 1T24, a produção de óleo no pré-sal atingiu 1,857 milhão de barris por dia (bpd), representando uma queda de 4,1% frente ao 4T23.

Essa redução também foi atribuída ao aumento do volume de perdas devido a paradas e manutenções. No entanto, houve uma compensação parcial graças à maior contribuição dos FPSOs Almirante Barroso e P-71, ao incremento da produção do FPSO Sepetiba e à entrada em operação de dois novos poços e projetos adicionais no campo de Tupi, localizado na Bacia de Santos.

Dados econômicos da zona do euro

Na Europa, segundo dados preliminares divulgados pela Eurostat, a agência de estatísticas da União Europeia (UE), o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro registrou um crescimento de 0,3% no primeiro trimestre de 2024 em comparação com o último trimestre de 2023.

Este resultado superou as expectativas dos analistas consultados pela FactSet, que previam um aumento de 0,1% para o período. Em termos anuais, o PIB do bloco expandiu 0,4% entre janeiro e março, também ultrapassando o consenso da FactSet, que estimava um ganho de 0,1%.

A taxa anual de inflação ao consumidor (CPI, pela sigla em inglês) da zona do euro, por sua vez, ficou em 2,4% em abril, inalterada em relação à de março. O movimento pode indicar a manutenção da expectativa que o Banco Central Europeu (BCE) comece a cortar as taxas de juros na sua próxima reunião de política monetária, em 6 de junho.

Balanços

Nos Estados Unidos, o mercado aguarda a divulgação dos resultados da Amazon. Por aqui, Santander (SANB11) já divulgou seus números. O banco registrou lucro líquido recorrente de R$ 3,021 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 41,2% no comparativo anual, enquanto na comparação com o quarto trimestre do ano passado, houve um crescimento de 37,1%.

Segundo o banco, o salto nos resultados é fruto da estratégia apresentada ao longo do ano passado e mostra uma retomada do crescimento, bem como uma melhoria no custo de crédito. O Santander afirma ainda que tem avançado na diversificação da carteira.

Macroeconomia

No Brasil, há a divulgação da taxa de desemprego medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), além dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que mostram a geração líquida de postos de trabalho. Nos Estados Unidos, hoje marca o início do primeiro dia do Fomc (comitê federal de mercado aberto). Amanhã, o Fed decidirá sua próxima taxa de juros.

Casas Bahia (BHIA3)

Na noite de domingo, a Casas Bahia (BHIA3) anunciou um novo plano para estender o pagamento de suas dívidas, visando resolver de forma definitiva os problemas de caixa e saúde financeira do negócio. A empresa chegou a um acordo com seus principais credores, Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3), que permite adiar pagamentos e preservar um montante significativo de caixa até 2027, totalizando R$ 4,3 bilhões.

O pedido de recuperação extrajudicial foi aceito ontem pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A decisão foi bem recebida pelo mercado, o que fez as ações da empresa dispararem e fecharem a sessão de segunda com alta de 34%.

Negociações de cessar-fogo em Gaza avançam

O movimento islâmico palestino Hamas avalia, nesta terça-feira, sua resposta a uma proposta de trégua com Israel, que está condicionada à libertação de reféns israelenses. Após uma reunião no Cairo, no dia anterior, que teve a presença de representantes mediadores do Egito e do Qatar, juntamente com os EUA, uma delegação do Hamas retornou a Doha para avaliar uma nova oferta de trégua, conforme informou uma fonte do movimento à AFP.

Pela primeira vez em quase sete meses de conflito, as autoridades israelenses demonstraram estar abertas a discutir o fim da guerra. Este esforço visa evitar uma possível ofensiva militar israelense na cidade de Rafah, no sul de Gaza. De acordo com autoridades egípcias, Israel se comprometeria a iniciar negociações de longo prazo assim que o Hamas libertasse o primeiro grupo de 20 reféns durante uma trégua de três semanas.

Acompanhe tudo sobre:bolsas-de-valoresPetrobrasCasas BahiaAmazonSantanderFed – Federal Reserve SystemCagedZona do EuroHamasIsrael

Mais de Invest

“Não tente acertar o futuro”: a lição de Howard Marks a investidores brasileiros

Renda variável x renda fixa: como escolher o que é melhor para mim?

“Continuamos acreditando que o governo vai fazer o certo”, diz CEO do Santander

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 65 milhões na poupança

Mais na Exame