Invest

Ipiranga fecha acordo com Chevron para trazer Texaco de volta ao Brasil

Companhias firmaram acordo de licenciamento da marca para varejo de combustíveis

Texaco: marca volta em parceria de Ipiranga e Chevron  (Peter Byrne/PA Images/Getty Images)

Texaco: marca volta em parceria de Ipiranga e Chevron (Peter Byrne/PA Images/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 13 de maio de 2024 às 19h55.

A Chevron firmou um acordo de licenciamento com a Ipiranga para trazer de volta ao país a marca Texaco. A Ipiranga será licenciada da Chevron para comercializar e vender combustíveis Texaco, com foco em uma rede de postos da marca em todo o país. A Ipiranga também vai operar as lojas de conveniência, sob a marca Star Mart da Chevron.

Para a Ipiranga, o movimento beneficia o mercado de distribuição no país, com o retorno de uma marca reconhecida pelos consumidores, e traz um selo internacional ao portfólio de produtos. “É uma oportunidade interessante para complementar a nossa rede de postos, principalmente em mercados onde já temos força com a presença da marca Ipiranga. Usaremos nossa expertise, infraestrutura e credibilidade para apoiar o retorno da marca Texaco, que tem histórico de sucesso no mercado brasileiro”, diz Bárbara Miranda, vice-presidente de Marketing e Desenvolvimento de Negócios da Ipiranga, em nota.

Chevron e Ipiranga já são sócias da Iconic - atual líder de mercado no segmento - que comercializa lubrificantes, fluidos e graxas das marcas Ipiranga e Texaco e distribui óleos básicos Chevron.

Atualmente, a Chevron tem interesses em 19 blocos de exploração e produção de petróleo e gás em águas profundas na costa do Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. Para os segmentos Downstream & Chemicals, além das participações na Iconic Lubrificantes, a Chevron Oronite também opera uma fábrica de aditivos para lubrificantes, no Pólo Petroquímico de Mauá, em São Paulo.

Acompanhe tudo sobre:IpirangaUltraparChevron

Mais de Invest

Jordan Belfort: a biografia do Lobo de Wall Street

"Caiu por terra a ilusão de disciplina do governo", diz Verde

Lucro da Stone quase dobra no 1º tri, para R$ 450 milhões

Renda fixa não morreu? Prefixado paga 14,25% ao ano e tem FGC

Mais na Exame