Ibovespa hoje: Petrobras ajuda e bolsa fecha em alta mesmo após ata do Fed

Vale pressiona índice para baixo após falta de energia na China derrubar preço do minério de ferro; petróleo sobe
Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)
Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)
G
Guilherme Guilherme e Beatriz Quesada

Publicado em 17/08/2022 às 10:38.

Última atualização em 17/08/2022 às 17:19.

O Ibovespa encerrou esta quarta-feira, 17, em alta, impulsionado pela Petrobras (PETR3/PETR4) e descolado das quedas do mercado internacional. No exterior, investidores reagiram à divulgação da ata da última decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Desde a última reunião, quando uma suavização da alta de juros para 0,50 ponto percentual (p.p.) foi sinalizada, dados do mercado de trabalho americano alimentaram as apostas de manutenção do ritmo de ajuste de 0,75 p.p. por reunião.

A ata, no entanto, não estabelece um ritmo de elevações e indica que o ciclo de aperto monetário ficará sujeito à divulgação de novos dados sobre o andamento da inflação.

Desde a última reunião, quando uma suavização da alta de juros para 0,50 ponto percentual (p.p.) foi sinalizada, dados do mercado de trabalho americano alimentaram as apostas de manutenção do ritmo de ajuste de 0,75 p.p. por reunião.

A ata, no entanto, não estabelece um ritmo de elevações e indica que o ciclo de aperto monetário ficará sujeito à divulgação de novos dados sobre o andamento da inflação.

O documento ressaltou, a propósito, que o Fed pode tirar o pé do acelerador ao subir os juros à medida que encontre os impactos da política monetária na inflação. A interpretação ajudou as bolsas logo após a divulgação. 

“Os dirigentes julgaram que, à medida que a postura da política monetária se tornasse ainda mais restritiva, provavelmente seria apropriado desacelerar o ritmo dos aumentos da taxa básica de juros em algum momento enquanto [o Fed] avalia os efeitos dos ajustes cumulativos da política monetária sobre a atividade econômica e a inflação”, disse a ata.

Ao longo da tarde, no entanto, os índices americanos voltaram a recuar. O índice Nasdaq, mais afetado por um aperto monetário mais duro nos Estados Unidos, liderou as perdas de Wall Street, caindo mais de 1%.

  • Nasdaq (EUA): - 1,25%
  • S&P 500 (EUA): - 0,72%
  • Dow Jones (EUA): - 0,50%

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Destaques de ações

O melhor desempenho da bolsa local tem a ajuda das ações da Petrobras, que encerraram o dia negociadas entre as maiores altas, seguindo a valorização do petróleo no exterior. A companhia é a segunda ação com maior peso na carteira teórica do índice, o que ajudou o Ibovespa a se manter no positivo.

Porém, as ações da Vale (VALE3) – que são as maiores na carteira do Ibovespa – caíram mais de 2% e foram as principais responsáveis pela pressão negativa sobre o índice. 

A desvalorização ocorreu em linha com o minério de ferro, que caiu nesta madrugada. A queda, segundo a Reuters, foi puxada pela escassez de energia na China, que tem levado ao fechamento de siderúrgicas locais. O país atravessa uma onda de calor, que tem impulsionado o uso de energia elétrica e provocado blackouts em algumas regiões.

A liderança das baixas, no entanto, ficou com os papéis das varejistas Americanas (AMER3) e Via (VIIA3), além da empresa de educação Yduqs (YDUQ3). Os papéis foram prejudicados pela abertura da curva de juros, que, por sua vez, reflete o dia de incerteza frente ao futuro da política monetária nos Estados Unidos.