Invest

Aversão ao risco faz Ibovespa perder os 130 mil pontos; quase todas as ações ficam no vermelho

Pregão foi marcado por novos dados do exterior e falas de dirigentes de bancos centrais, que alimentaram a cautela dos investidores

Painel da B3, a bolsa de valores brasileira (Germano Lüders/Exame)

Painel da B3, a bolsa de valores brasileira (Germano Lüders/Exame)

Janize Colaço
Janize Colaço

Repórter de Invest

Publicado em 16 de janeiro de 2024 às 10h41.

Última atualização em 16 de janeiro de 2024 às 18h11.

Esta terça-feira, 16, foi vermelha para o Ibovespa. Na mesma toada dos índices globais, a bolsa brasileira também foi marcada pela aversão ao risco. A sessão contou com novos dados dos Estados Unidos e com discursos de um dos diretores do Fed. Junto a isso, as expectativas dos investidores se dão com o PIB da China, que será divulgado à noite. Por aqui, o mercado ficou de olho em novos desdobramentos com a reoneração da folha de pagamento de 17 setores.

A aversão ao risco que marcou o Ibovespa e os índices no resto do mundo teve início com as declarações do integrante do conselho do Banco Central Europeu (BCE) e também presidente do BC da França, François Villeroy de Galhau. Durante painel do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, ele afirmou que os cortes de juros por lá devem acontecer de maneira mais cautelosa e devagar daquilo que é esperado pelo mercado.

“Esses comentários desencadearam uma expectativa de que o Fed pode agir da mesma maneira. Com isso, as expectativas de que os cortes nos juros americanos possam começar já em março diminuíram, enquanto crescem as apostas de que será mantida as taxas de juros estáveis em mais uma reunião”, diz Leonel Mattos, analista de Inteligência de Mercado da StoneX.

Ibovespa hoje

IBOV: -1,69%, aos 129.294 pontos.

Nos EUA, investidores aguardavam pelo índice de atividade industrial Empire State. O indicador caiu de -14,5 em dezembro a -43,7 em janeiro, menor nível desde maio de 2020. As expectativas do mercado apontavam para uma retração menor, a -6,5. Mas o que de fato precificou as bolsas globais foram os comentários do diretor do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Christopher Waller.

Segundo o dirigente, o progresso atual da economia é compatível com a visão do Fed de três cortes até o fim do ano. Porém, o momento e intensidade dos cortes vão depender dos dados futuros. "Ainda preciso de mais dados para ter certeza sobre uma queda sustentada da inflação, que não tenha repiques ou resistência excessiva", disse Waller.

O que também fez preço na bolsa brasileira foram os novos capítulos dos conflitos no Mar Vermelho. O exército dos EUA voltou a desferir ataques aos Houthis, que, em contrapartida, lançaram um míssil contra cargueiro grego. Diante disso, o petróleo fechou sem direção única nesta terça. O WTI para fevereiro caiu 0,38%, a US$ 72,40 o barril, enquanto o Brent para março fechou em alta de 0,24%, a US$ 78,29 o barril.

Mas o conflito no Mar Vermelho vai além da cotação do petróleo, como aponta Dierson Richetti, especialista em investimentos e sócio da GT Capital. Segundo ele, trata-se de uma rota importante tanto para insumos das indústrias, quanto de commodities. “As maiores operadoras de containers e navios graneleiros estão tendo que desviar dessa rota. E isso acaba encarecendo os custos, além de encarecer os custos de logística. Também há falta de containers. Porque geralmente, quando chega o container, o conteúdo é descarregado nos portos e se carrega de novo. Mas como esses navios estão fazendo rotas mais longas desviando da região, isso acaba afetando também os containers.”

O que ainda está na radar dos investidores

Outros dados que os investidores de todo o mundo aguardam virão da China. Às 23h (horário de Brasília) será divulgado o Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre, bem como da produção industrial e das vendas no varejo de dezembro. Antes dos números, durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, nesta terça-feira, o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, pode ter dado pistas do que está por vir. No evento, ele afirmou que o PIB do país cresceu 5,2% em 2023, pouco acima da meta oficial de 5%.

Por aqui, o mercado segue monitorando as negociações em torno de um acordo sobre a reoneração da folha de pagamentos. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, negociam uma transição para o fim da desoneração da folha de pagamentos que dê tempo de adaptação aos 17 setores hoje atendidos pelo programa

Maior alta do Ibovespa

  • SLC (SLCE3): +1,97%

Maiores quedas do Ibovespa

Entre as ações que mais caíram, destaque para a Raízen e para a Cosan devido a um menor volume de venda de açúcar. “Principalmente da Raízen, que teve a prévia divulgada e mostrou queda de 6,5% nas vendas de açúcar na comparação com o mesmo período do ano passado”, diz Richetti.

Outras quedas de destaque no pregão foram da Azul e do Pão de Açúcar. A primeira foi afetada por um possível pedido de recuperação judicial do seu par de setor, a Gol. Já a segunda, caiu após uma subida ontem de quase 20%. “E hoje acaba tendo uma realização, que é super comum.”

  • Soma (SOMA3): -6,18%
  • Cosan (CSAN3): -6,14%
  • Azul (AZUL4): -6,28%

Dólar hoje

O dólar fechou em alta nesta segunda-feira. Hoje, a moeda americana subiu 1,22%, a R$ 4,925. Na segunda-feira, o dólar fechou em alta de 0,18%, cotado a R$ 4,866. 

Como é calculado o índice Bovespa?

Principal índice de ações da bolsa brasileira, a B3, o Ibovespa é calculado em tempo real, baseado na média do desempenho dessa carteira teórica de ativos, cada uma com seu peso na composição do índice. 

Funcionando como um termômetro do desempenho consolidado das principais ações para o mercado, cada ponto do Ibovespa equivale a 1 real. Por isso, se o IBOV está em 100.000 pontos, isso quer dizer que o preço da carteira teórica das ações mais negociadas é de 100.000 reais.

Que horas abre e fecha a bolsa de valores?

O horário de negociação na B3 vai das 10h às 18h. A pré-abertura ocorre entre 9h45 e 10h, enquanto o after-market ocorre entre 18h25 e 18h45. Já as negociações com o Ibovespa futuro ocorrem entre 9h e 17h55.

Confira as últimas notícias de Invest:

Com informações do Estadão Conteúdo

Acompanhe tudo sobre:Ibovespabolsas-de-valoresAções

Mais de Invest

Aumento no volume de vendas e queda no preço do minério de ferro: o que esperar do balanço da Vale?

“Não tente acertar o futuro”: a lição de Howard Marks a investidores brasileiros

Renda variável x renda fixa: como escolher o que é melhor para mim?

“Continuamos acreditando que o governo vai fazer o certo”, diz CEO do Santander

Mais na Exame