Invest

Bolsas da Europa caem com chance menor de corte dos juros; Shell recua após venda na Nigéria

Em Londres, o FTSE-100 cedeu 0,48%, aos 7.558,34 pontos

Bolsa de Valores de Londres, na Inglaterra (Bloomberg/Getty Images)

Bolsa de Valores de Londres, na Inglaterra (Bloomberg/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de janeiro de 2024 às 15h17.

As bolsas europeias fecharam em queda pelo segundo dia seguido nesta terça-feira, 16, à medida que autoridades do Banco Central Europeu (BCE) mantêm um discurso que reduz a expectativa de alívio monetário no curto prazo na zona do euro.

Em Londres, as ações da Shell cederam após a gigante petrolífera anunciar a venda de subsidiária de petróleo e gás onshore na Nigéria. Em Madri, o índice referencial Ibex perdeu os 10.000 pontos.

Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 cedeu 0,48%, aos 7.558,34 pontos. As ações da Shell perderam 1%. A gigante petrolífera anunciou a venda de sua subsidiária onshore na Nigéria a um consórcio de cinco empresas, na sua maioria locais, por até US$ 2,4 bilhões, de acordo com comunicado no site da empresa.

A companhia foi pioneira nos negócios de petróleo e gás no país africano no início da década de 1930, mas a atividade foi marcada por centenas de derramamentos de petróleo em terra como resultado de roubo, sabotagem e problemas operacionais que levaram a reparos dispendiosos e ações judiciais.

Em Madri, o Ibex 35 marcou recuo de 0,82%, aos 9.994,10 pontos. O desempenho foi puxado pelas perdas de mais de 4% das empresa de energia renovável Solaria e Acciona.

Em Paris, o CAC-40 perdeu 0,18%, aos 7.398,00 pontos. O DAX, de Frankfurt, terminou em baixa de 0,30%, aos 16.571,68 pontos. As ações da empresa alemã de vestuário de roupas sofisticadas Hugo Boss despencaram 9,83%, após lucro preliminar no quarto trimestre ficar abaixo das expectativas dos analistas.

Entre os comentários que pesaram no humor do mercado, o integrante do conselho do Banco Central Europeu (BCE) François Villeroy de Galhau disse nesta terça-feira que, embora seja muito cedo para declarar vitória na batalha contra a inflação, o BCE provavelmente cortará juros este ano. Ele, no entanto, não quis comentar em qual "estação" poderá vir o primeiro corte de juros, durante painel do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

O dirigente do BCE e presidente do BC de Portugal, Mario Centeno, por sua vez, afirmou que um corte na taxa de juros deve fazer parte da discussão e que nenhuma opção deve ser retirada da mesa durante as próximas decisões monetárias.

Os dados divulgados nesta terça mostraram que a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI, pela sigla em inglês) da Alemanha atingiu 3,7% em dezembro, ganhando força em relação ao nível de 3,2% de novembro. No Reino Unido, a taxa de desemprego ficou na mínima histórica de 4,2% no trimestre até novembro.

Em Milão, o FTSE MIB subiu 0,03%, aos 30.337,62 pontos. O PSI 20 de Lisboa, caiu 1,35%, aos 6.415,15 pontos.

Acompanhe tudo sobre:bolsas-de-valoresEuropaInglaterra

Mais de Invest

Realização de lucros? Buffett vende R$ 8 bilhões em ações do Bank of America

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 53 milhões

O que é private equity e como funciona?

Quanto rendem R$ 20 mil por mês na poupança?

Mais na Exame