Acompanhe:

Ibovespa hoje: bolsa sobe com disparada de Vale, mas perde força com Petro

Estatal segura alta do índice com ruídos sobre dividendos; varejistas caem após balanços

Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)

Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)

G
Guilherme Guilherme e Beatriz Quesada

Publicado em 4 de novembro de 2022, 10h52.

Última atualização em 4 de novembro de 2022, 17h31.

O Ibovespa avançou nesta sexta-feira, 4, embalado pela alta dos papéis da Vale e siderúrgicas, mas perdeu força ao longo do dia com a influência negativa da Petrobras. Na máxima, o principal índice da B3 chegou a atingir os 120 mil pontos. No acumulado da semana – a primeira após o fim das eleições – o índice avançou 3,16%.

No caso da mineradora, os papéis avançaram com sinais de queda de restrições à covid-19 na China. A Vale, que tem o país asiático como maior comprador de minério de ferro, dispara cerca de 7% neste pregão e puxa a alta do principal índice da B3. O movimento é acompanhado de siderúrgicas, que também se beneficiam de preços de minério mais altos.

Petrobras desaba com ruídos sobre dividendos

A alta só não foi maior devido à força negativa das ações da Petrobras, que tem o segundo maior peso no Ibovespa, atrás apenas da Vale.

Investidores reagiram negativamente à notícia de que os dividendos bilionários da companhia estão na mira do Tribunal de Contas da União. O procurador de contas junto ao TCU, Lucas Furtado, pediu nesta sexta que o tribunal suspenda imediatamente a distribuição de dividendos que a companhia aprovou na véspera.

O argumento é que poderia haver prejuízo para sustentabilidade financeira caso o pagamento de dividendos seja antecipado para entrar no caixa da União ainda este ano, sob a administração Bolsonaro.

Rodrigo Araújo, diretor financeiro e de relações com investidores da Petrobras, afirmou em coletiva de imprensa nesta tarde que ainda não teve acesso ao pedido do procurador, mas que está a disposição do TCU para quaisquer esclarecimentos.

Araújo reforçou ainda que a distribuição dos dividendos não trouxe nenhuma novidade em relação ao que já vem sendo praticado pela estatal. “A Petrobras atuou completamente dentro da política de remuneração aos acionistas e não fez nada de diferente do que fez ao longo dos últimos trimestres. É uma política que já previa pagamento trimestral de dividendos e assim vendo executada”, afirmou.

O movimento repercutiu negativamente na bolsa, derrubando as ações da Petrobras. “O mercado entende o episódio como uma interferência do novo governo em relação à empresa. Estatais sempre ficam na expectativa de futuras intervenções", avalia Rodrigo Moliterno, diretor de renda variável da Veedha Investimentos.

  • Petrobras (PETR4): - 5,51%
  • Petrobras (PETR3): - 5,23%

Leia também: Ações da Petrobras afundam mais de 5% com ruído sobre dividendos

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Varejistas em forte queda após balanços

Apesar do dia majoritariamente positivo na B3, varejistas desabaram nesta sexta, com investidores reagindo negativamente aos balanços da noite anterior.

A maior queda do dia foi liderada pelas ações da Alpargatas, que desabam mais de 15%, após seu lucro líquido cair 71,5% no último trimestre para R$ 44,9 milhões.

Ações do GPA também ficaram entre as maiores quedas. No terceiro trimestre, o prejuízo líquido da dona do Pão de Açúcar saltou 221% frente ao mesmo período do ano passado para R$ 296 milhões, puxado por despesas financeiras.

"Com a expectativa do spin off do grupo Éxito é possível que o ativo consiga desalavancar e tenha então recursos para ajustar a operação, mas o GPA Brasil ainda parece um pouco distante de um cenário onde atinja o break-even", disse em relatório Gabriel Gracia, analista da Guide Investimentos.

  • Alpargatas (ALPA4): - 15,37%
  • GPA (PCAR3): - 8,75%

Leia mais: Com volume menor de vendas no 3º tri, Alpargatas vai mirar na compra por impulso

Leia mais: GPA (PCAR3): prejuízo líquido salta 221% e chega a R$ 288 milhões no 3º tri