Invest

Dólar vai subir mais? 3 fatores que explicam para onde vai a moeda

Moeda americana bate R$ 5,70 pela primeira vez em 30 meses e chega a acumular 17,5% de alta no ano; preocupações fiscais e discursos recentes do presidente Lula têm mexido com o mercado de câmbio nas últimas semanas

Dólar (Yuji Sakai/Getty Images)

Dólar (Yuji Sakai/Getty Images)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 2 de julho de 2024 às 16h11.

Última atualização em 4 de julho de 2024 às 15h09.

Tudo sobreDólar
Saiba mais

A valorização do dólar foi de 17,5% no ano, com a moeda chegando a ser negociada a R$ 5,70 nesta terça-feira, dia 2. O patamar é o mais alto desde janeiro de 2022, quando o dólar atingiu R$ 5,72. A forte apreciação do dólar no Brasil se estende há sete meses, tendo como pano de fundo a menor urgência do Federal Reserve (Fed) em iniciar o ciclo de queda de juros nos Estados Unidos e a piora das perspectivas fiscais. Contudo, apesar do cenário adverso para moedas emergentes durante todo o ano, foi em junho que a alta do dólar tomou uma nova proporção, saindo de R$ 5,25 para R$ 5,59, diante dos discursos agressivos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre pautas econômicas. Essa apreciação de 6,5% foi a maior alta mensal dó dólar frente ao real em dois anos.

MELHORES INVESTIMENTOS 2024: Baixe o relatório gratuito do BTG Pactual e descubra as principais oportunidades para o 2º semestre desse ano.

Embora o mercado veja justificativas para o dólar mais alto, o consenso dos economistas ainda indica uma queda da moeda até o fim do ano. A projeção mediana, segundo o Focus divulgado nesta semana, é de dólar a R$ 5,20 no fim do ano e a R$ 5,19 em 2025. Ainda que bem abaixo do patamar atual, as expectativas para o câmbio vêm se deteriorando rapidamente. Há quatro semanas, o consenso para o dólar ainda era de R$ 5,05 para este e para o próximo ano.

A piora é resultado das recentes revisões para cima nas projeções de dólar das instituições financeiras. Um dos bancos que passaram a projetar dólar mais caro para este ano é o BTG, que revisou sua expectativa de R$ 5 para R$ 5,20. "A revisão da projeção da taxa de câmbio encontra maior explicação na postergação do ciclo de corte de juros pelo Fed e na deterioração da percepção fiscal de longo prazo." Nessa mesma linha está o Itaú, que revisou o dólar para o fim do ano de R$ 5 para R$ 5,15 e para o fim de 2025 de R$ 5,15 para R$ 5,25.

Uma das projeções mais pessimistas do mercado para o real é a de Alfredo Menezes, CEO da gestora Armor Capital. Menezes, que é uma das referências no mercado de câmbio, projeta a moeda entre R$ 5,40 e R$ 5,60 para o fim do ano. Em entrevista recente à Exame Invest, o gestor afirmou que a moeda pode chegar "facilmente" a R$ 6, caso o governo não mude o discurso.

Sinalização fiscal

A avaliação de Menezes é de que seriam necessárias sinalizações de cortes de gastos para o dólar apresentar um movimento consistente de queda frente ao real. Uma das maiores críticas é que não há mais espaço para atingir um equilíbrio fiscal por meio de aumento de impostos. Lula, no entanto, tem dado indicações contrárias aos interesses do mercado. Em entrevista recente ao jornal mineiro O Tempo, o presidente chegou a afirmar que gostaria de fazer o "ajuste fiscal sobre a rentabilidade dos banqueiros". Ainda na semana passada, Lula chegou a afirmar em entrevista ao UOL que "o problema é saber se precisa efetivamente cortar ou se precisa aumentar a arrecadação".

"Nas últimas vezes que o Lula chegou a flertar com corte de gastos, o real reagiu positivamente. Então, uma sinalização mais firme de corte de gastos poderia ajudar a moeda brasileira. Mas acho difícil o governo mudar o discurso", diz Fernando Siqueira, head de research da Guide Investimentos.

Novo Banco Central

As últimas semanas também foram marcadas pelo conflito entre Lula e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a quem o presidente tem se referido como "este rapaz". Campos Neto, indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, tem sido um alvo constante do Executivo. Mas o tom escalou após as últimas duas decisões do Comitê de Política Monetária (Copom), em que os diretores assumiram uma postura mais contracionista, reduzindo o ritmo de corte de juros e, posteriormente, interrompendo-o. No mercado, um dos temores é de que o Banco Central aceite uma inflação mais alta em troca de uma menor taxa de juros a partir do ano que vem, quando os diretores indicados por Lula passarão a ser maioria no Copom.

O nome favorito para substituir Roberto Campos Neto, quando seu mandato encerrar no fim do ano, é o de Gabriel Galípolo, indicado por Lula para o Copom no ano passado. Galípolo foi um dos que votaram pela manutenção da queda de 0,5 ponto percentual (p.p.) quando o Copom decidiu reduzir para 0,25 p.p o ritmo de corte. A divisão suscitou dúvidas sobre a nova diretoria do Copom, que só foram amenizadas após a decisão unânime na reunião passada de interromper o ciclo de corte de juros diante do aumento dos riscos inflacionários. Porém, a incerteza sobre o que será do Banco Central a partir do ano que vem continua. "Um nome pior que o de Galípolo faria o mercado entrar em pânico imediatamente", afirma Marília Fontes, sócia-fundadora da Nord.

Federal Reserve

Nenhum ativo no mundo tem mais influência sobre os mercados globais do que os juros americanos. Como a dívida do Tesouro americano é considerada a mais segura do mundo, quanto maior sua rentabilidade, maior é a tendência de valorização do dólar, dada a concentração de investimentos nos Estados Unidos. No caso brasileiro, ainda houve o agravante de os juros internos terem caído, enquanto as taxas americanas se mantiveram inalteradas, tornando o diferencial de juros menos atrativo para investimentos atrelados à Selic. No fim do ano passado, o mercado chegou a precificar sete cortes do Fed neste ano.

MELHORES INVESTIMENTOS 2024: Baixe o relatório gratuito do BTG Pactual e descubra as principais oportunidades para o 2º semestre desse ano.

Hoje, a precificação é de apenas dois cortes, iniciando em setembro. Caso confirmada, a queda do juro americano daqui a dois meses deve contribuir para a valorização do real e de outras moedas emergentes, segundo Alfredo Menezes. Mas a aposta do gestor é de que o afrouxamento do juro americano fique para novembro. Hoje, a probabilidade indicada nas curvas de juros americanas é de 69% de chance de corte em setembro e de 65% de ao menos dois cortes até o fim do ano. Para o Bank of America, no entanto, o espaço para cortes deve se abrir apenas em dezembro, após as eleições presidenciais nos Estados Unidos. "O Fed está preparado para manter a taxa onde está pelo tempo que for necessário, mas espera cortar antes do final deste ano.

"O Fed está preparado para manter sua posição pelo tempo que for necessário, e aliviará as condições quando os dados de inflação indicarem que deve fazê-lo. Acreditamos que o primeiro corte de juros ocorrerá em dezembro e continuamos a esperar que o Fed encerre o ciclo com o juro de 3,50-3,75% em meados de 2026", diz o BofA em relatório.

Acompanhe tudo sobre:DólarCâmbio

Mais de Invest

Gustavo Franco: Palavras ao vento

Nem XPML11, nem MXRF11: veja 5 FIIs promissores em julho, segundo a Empiricus

Quanto tempo morando junto tem direito à herança?

O que é payroll e como ele impacta no mercado financeiro?

Mais na Exame