Boa Safra (SOJA3) registra alta de 50,26% na receita no 3T22

A empresa do setor agro manteve uma alavancagem baixa mesmo continuando a aumentar os investimentos no trimestre

Boa Safra (SOJA3) (Boa Safra/Exame)

Boa Safra (SOJA3) (Boa Safra/Exame)

Carlo Cauti
Carlo Cauti

11 de novembro de 2022, 21h30

A Boa Safra (SOJA3) divulgou nesta sexta-feira, 11, os resultados do terceiro trimestre de 2022.

A receita operacional líquida da Boa Safra foi de R$ 881,52 milhões, alta de 50,26% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando tinham sido de R$ 586,65 milhões.

Entretanto, o lucro líquido caiu 2,49% na comparação anual, passando de R$ 88,08 milhões entre julho e setembro de 2021 para R$ 85,93 milhões no mesmo período deste ano.

Os custos dos produtos vendidos aumentaram 60,1% no terceiro trimestre, chegando em R$ 780,49 milhões, contra os R$ 487,37 milhões registrados no mesmo período do ano passado.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 94,23 milhões, em alta de 5,55% na comparação anual.

A margem Ebitda caiu 4,5 pontos percentuais, passando de 15,22% no terceiro trimestre de 2021 para 10,69% no mesmo período de 2022.

Os investimentos da Boa Safra (CAPEX) aumentaram 428,3% na comparação anual, chegando em R$ 104,77 milhões no terceiro trimestre do ano.

A dívida líquida aumentou R$ 197,56 milhões, passando de uma dívida líquida negativa de R$ 121,11 milhões para uma dívida líquida de R$ 76,44 milhões no terceiro trimestre deste ano.

A relação dívida líquida/EBITDA - que mede a alavancagem de uma empresa - nos doze meses que terminaram no dia 30 de setembro de 2022 passou de -0,80x para 0,80x.

Segundo a Boa Safra, esses aumentos ocorreram por causa de captação de Capex de longo prazo, captação de empréstimos para capital de giro e recebimento antecipado de clientes.

Para Boa Safra (SOJA3), resultados são "sazonalidade da sazonalidade"

Para o CFO da Boa Safra, Felipe Marques, o resultado do terceiro trimestre do ano representa a "sazonalidade da sazonalidade".

"As chuvas vieram mais tarde esse trimestre, e vieram irregulares. Por isso todo nosso faturamento de semente no terceiro trimestre acabou indo faturado para o quarto trimestre", diz Marques em entrevista exclusiva à EXAME Invest.

O executivo salientou como o faturamento acabou subindo no trimestre, pois "esse ano o mercado de soja e grãos estava invertido". Marques antecipou que cerca de R$ 200 milhões serão faturados no quarto trimestre do ano.

Marques disse que a inflação acabou impactando moderadamente os resultados, e que o aumento dos custos operacionais está ligado ao aumento das vendas de grãos, principalmente no caso do custo do frete.

O CFO da Boa Safra explicou como "a estrutura de capital da empresa é super sólida, temos um custo da dívida menor do que o CDI, fizemos um Fiagro que já vendeu R$ 50 milhões em cotas e com isso estamos direcionando a empresa para outro patamar no futuro".