Invest

O que é fintech: como funcionam as startups do mercado financeiro

Fintech é uma combinação das palavras “finanças” e “tecnologia” e refere-se a empresas que usam a tecnologia para modificar

 (Getty Images/Getty Images)

(Getty Images/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de janeiro de 2023 às 13h14.

Última atualização em 30 de janeiro de 2023 às 09h26.

Seja usando um aplicativo para criar um orçamento, comprar criptomoedas em seu telefone, solicitar um carro por aplicativo ou pedir dinheiro emprestado a um amigo sem o envolvimento de instituições financeiras tradicionais, o poder de uma fintech está em toda parte.

Além disso, graças à fintech, não se trata mais sobre a busca do maior player, mas na escolha de quem será o mais rápido e responsivo ao atender com eficiência às demandas em constante mudança dos consumidores. Mas afinal, o que é fintech?

O que é fintech?

Fintech é uma combinação das palavras “finanças” e “tecnologia” e refere-se a empresas que usam a tecnologia para modificar, aprimorar ou automatizar serviços financeiros para empresas, ou consumidores.

O termo abrange indústrias de rápido crescimento que atendem aos interesses de consumidores e empresas de várias maneiras, de mobile banking e seguros a criptomoedas e aplicativos de investimento

Dessa forma, à medida que os consumidores adotam cada vez mais as ferramentas digitais, tornando-se mais experientes e conectados, às fintechs de sucesso serão aquelas que continuarão inovando, oferecendo novas soluções para velhos problemas.

Como funciona uma fintech?

Após entender o que é uma fintech, é importante saber como ela funciona. Embora as fintechs sejam um conceito multifacetado, uma compreensão profunda pode ser obtida. A fintech simplifica as transações financeiras para consumidores ou empresas, tornando-as mais acessíveis e muitas vezes mais baratas.

Além disso, pode ser aplicado a empresas e serviços que usam inteligência artificial, big data e tecnologias de blockchain criptografadas, facilitando transações altamente seguras em redes internas.

Em geral, o funcionamento de uma fintech visa simplificar o processo de transação, removendo etapas potencialmente desnecessárias para todas as partes envolvidas. 

Por exemplo, muitos dos principais aplicativos bancários móveis agora fornecem aos clientes acesso móvel a serviços bancários, incluindo a capacidade de visualizar saldos, transferir fundos ou solicitar empréstimos.

Benefícios e riscos potenciais das fintechs

As fintechs tornaram-se um importante facilitador de mercados financeiros mais eficientes e competitivos, ajudando a expandir o acesso aos consumidores, trazendo uma série de benefícios.

  • Velocidade e conveniência

Os produtos fintech tendem a ser entregues online, sendo mais fáceis e rápidos para os consumidores acessarem.

  • Maior escolha

Os consumidores beneficiam de uma maior escolha de produtos e serviços porque podem ser adquiridos remotamente, independentemente da localização.

  • Ofertas mais baratas

As empresas fintech podem não precisar investir dinheiro em uma infraestrutura física como uma rede de agências, portanto, podem oferecer ofertas mais baratas aos consumidores.

  • Produtos mais personalizados

A tecnologia permite que as fintechs coletem e armazenem mais informações sobre os clientes, para poderem oferecer produtos ou serviços mais personalizados.

Riscos da fintech

No entanto, apesar dos enormes benefícios que as fintechs oferecem, potenciais avanços na tecnologia podem prejudicar a identidade dos consumidores e criar fontes de instabilidade nos mercados financeiros.

Falta de regulamentação 

As empresas fintech são novas no espaço financeiro e usam modelos de negócios diferentes dos provedores tradicionais. Isso pode tornar mais difícil determinar o que é regulamentado e quais direitos do consumidor caso algo der errado.

Decisões precipitadas

Produtos financeiros que podem ser adquiridos online instantaneamente, sem encontrar ninguém pessoalmente, podem facilitar a tomada de decisões mais rápidas, porém a desinformação pode trazer um risco maior aos consumidores.

Riscos baseados em tecnologia

Os produtos financeiros adquiridos online podem torná-lo mais exposto a riscos baseados em tecnologia. Por exemplo, os dados pessoais de um cliente podem ser usados ​​indevidamente ou se tornar vítima de um crime cibernético.

Exclusão financeira

A tecnologia aumenta a escolha e o acesso para a maioria dos consumidores, mas pode excluir aqueles que não sabem usar a internet e dispositivos como computadores, smartphones e tablets.

Tendências das fintechs

Ao longo dos anos, as fintechs cresceram e mudaram com o cenário tecnológico. Em 2022, este crescimento foi determinado por várias tendências dominantes.

Banco digitais

Os bancos digitais são mais fáceis de acessar do que nunca. Muitos consumidores já administram seu dinheiro, solicitam e pagam empréstimos e adquirem seguros por meio de bancos digitais. 

Essa simplicidade e conveniência vem impulsionando um crescimento adicional neste setor. Espera-se que o mercado Big Data Analytics no mercado Bancário registre uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 22,97% durante o período de 2021-2026. 

Importante destacar que a análise de big data no mercado bancário é segmentada por Tipo de Soluções (Descoberta e Visualização de Dados (DDV) e Análise Avançada (AA)) e Geografia.

Blockchain

A tecnologia Blockchain permite transações descentralizadas sem o envolvimento de entidades governamentais ou outras organizações de terceiros. A tecnologia e os aplicativos Blockchain têm crescido rapidamente ao longo dos anos, uma tendência que provavelmente continuará à medida que mais e mais indústrias recorrem à criptografia de dados avançada. 

Inteligência Artificial (IA) e Aprendizado de Máquina (ML)

Os usuários de qualquer serviço ou produto digital geram grandes quantidades de dados, que muitas fintechs utilizam para customizar seus serviços e agregar valor. Portanto, big data pode ser usada para fazer previsões financeiras com base no comportamento do cliente.

As tecnologias de IA e ML estão mudando a forma como as fintechs escalam, redefinindo o que oferecem a seus clientes. Com isso, os algoritmos AI/ML podem reduzir riscos, aumentar retornos, automatizar processos e fazer previsões sobre o futuro.

Como resultado, à medida que essas tecnologias se tornam mais acessíveis, espera-se que elas desempenhem um papel cada vez maior no desenvolvimento contínuo da categoria fintech, ampliando seu alcance e aumentando as vantagens ao consumidor.

Futuro das fintechs

Ao liberar toda a gama de serviços financeiros que abrangem todos os casos de uso, as fintechs conquistaram um espaço importante na vida cotidiana dos consumidores.

Além disso, considerando a atual incerteza econômica que muitos enfrentam, fintechs e bancos tradicionais devem continuar a colaborar no futuro próximo. Com isso, os consumidores podem esperar ver novas empresas vendendo serviços como criptomoedas, inteligência artificial e blockchain. 

Como resultado, consumidores, empresas e demais serviços financeiros irão se voltar cada vez mais para combinações imaginativas de software, hardware e dados, criando e fornecendo novos produtos e serviços financeiros. 

Em suma, a categoria fintech está firmemente integrada na sociedade atual e continuará ajudando os consumidores a economizar, investir e construir riqueza com mais facilidade.

Foi possível entender o que é fintech e como funcionam as startups do mercado financeiro? Acompanhe outros conteúdos do Guia de Investimentos da Exame Invest, como:

O que é lucro líquido? 
O que é prejuízo líquido? 
O que é receita bruta? 
O que é margem operacional? 
Qual a função de um CEO?

Acompanhe tudo sobre:FintechsGuia de Investimentos

Mais de Invest

Ibovespa: nem Petrobras nem Nvidia conseguem sustentar bolsa, que opera em queda após Ata do Fed

"Se o medo é de uma loucura na Suzano, eu compro a ação": por que esse gestor está otimista com IP

Mega-Sena sorteia prêmio acumulado em R$ 42 milhões nesta quinta-feira; veja como apostar

Repercussão do balanço da Nvidia e da Ata do Fed: os assuntos que movem o mercado

Mais na Exame