Inflação nos EUA bate recorde de 40 anos e preço do bitcoin volta a subir

País registra maior taxa de alta anual de preços desde 1982 e anúncio provoca impacto quase imediato no preço do bitcoin, visto por muitos como forma proteção contra inflação
Inflação anual dos EUA sobe para maior valor em quase quatro décadas e afeta mercado de criptomoedas (primeimages/Getty Images)
Inflação anual dos EUA sobe para maior valor em quase quatro décadas e afeta mercado de criptomoedas (primeimages/Getty Images)
C
CoindeskPublicado em 12/01/2022 às 14:39.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), índice mais usado para medir a inflação norte-americana, foi divulgado nesta quarta-feira, 12, com alta para uma taxa anual de 7%, alcançando previsões feitas por economistas e atingindo seu maior pico desde junho de 1982, superando também o recorde de novembro passado, de 6,8%.

O IPC Core, que exclui preços mais voláteis de energia e comida, subiu 0,6% no mês, superando as expectativas do mercado. Em novembro, o aumento foi de 0,5%.

Nos minutos seguintes ao anúncio do índice pelo Gabinete de Estatísticas do Trabalho (BLS, na sigla em inglês) dos EUA, no começo da tarde desta quarta-feira, 12, o bitcoin subiu para 43.900 dólares, registrando alta de quase 5% em relação ás 24 horas anteriores.

Isso acontece porque muitos investidores acreditam que o investimento em bitcoin pode servir como proteção contra a inflação, em grande parte porque sua oferta é limitada e controlada pela programação segura que existe por trás do blockchain. Com a alta da inflação, o interesse pelo bitcoin aumenta. Por outro lado, o aumento nas taxas de juroa pode fazer com que ativos de renda fixa se tornem mais atrativos, reduzindo o apelo de outros com mais risco, como ações e criptomoedas - foi o que aconteceu na última semana, quando o Fed aumentou os juros e o mercado cripto despencou.

“A tendência é que os preços continuem a subir”, disse Peter C. Earle, economista do American Institute for Economic Research. “Nesse momento, parte do debate sobre a política de taxas possivelmente vai mudar para se o Fed demorou, ou está demorando demais, para reagir às altas nos preços”.

Na terça-feira, o presidente do Fed, Jerome Powell, apareceu diante do Comitê Bancário do Senado norte-americano para sua audiência confirmatória, na qual disse que a inflação continua acima do teto da instituição. Isso “está nos dizendo que a economia não precisa ou quer as medidas acomodativas que tivemos até agora”, disse ele. O bitcoin subiu 3,1% nas 24 horas seguintes ao pronunciamento.

Powell adicionou que o Fed talvez suba ainda mais as taxas de juro caso a inflação continue em níveis altos e por mais tempo do que o esperado. Suas declarações sobre quedas nas taxas de juros em dezembro foram seguidas por quedas acentuadas nos preços do bitcoin.

“O Fed vê a inflação durando até o meio de 2022, e é nesse momento em que provavelmente eles vão deixar o balanço de contas cair”, diz Eward Moya, um analista de mercado sênior na corretora online Oanda. “O caminho da inflação pode levar a aumentos súbitos nas taxas e um começo mais rápido no encolhimento dos balanços. Isso pode ser ruim para ativos de risco de curto prazo, como criptomoedas, mas as ações possivelmente sofrerão mais”. “Ainda existe muito dinheiro esperando para comprar bitcoin, mas muitos traders de cripto estão esperando ver o que acontece”, concluiu Moya.

Texto traduzido e republicado com autorização da Coindesk

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok