Criptos ensaiam recuperação e LUNA dispara, mas volta a cair em seguida

Novo plano de recuperação chegou a despertar o otimismo de investidores, mas durou pouco. Bitcoin e as principais criptomoedas tentam recuperar perdas das últimas semanas
Queda da LUNA de mais de 99% afetou até o bitcoin (Coinmarketcap/Unsplash)
Queda da LUNA de mais de 99% afetou até o bitcoin (Coinmarketcap/Unsplash)
Por Mariana Maria SilvaPublicado em 17/05/2022 09:58 | Última atualização em 17/05/2022 11:09Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Após fechar a segunda-feira em queda, o mercado de criptomoedas volta a ensaiar uma recuperação nesta terça-feira, 17. Até mesmo a LUNA, criptomoeda que caiu mais de 99% na última semana, chegou a disparar mais de 20% durante a madrugada, antes de voltar a cair.

Alguns investidores podem ter se sentido otimistas com a LUNA novamente, depois que o seu criador anunciou um novo plano de recuperação para a criptomoeda. De acordo com dados do CoinMarketCap, a LUNA saiu de US$ 0,0001269 para US$ 0,0002353 na madrugada.

Chamado de “Plano de Ressureição do Ecossistema Terra 2”, a proposta do criador Do Kwon é realizar uma bifurcação da rede, sem a presença da stablecoin UST. A UST era uma criptomoeda de valor estável que acompanhava o valor do dólar por meio de um sistema algorítmico, cuja falha causou todo o colapso da rede.

Isso porque com a queda generalizada do mercado nas últimas semanas, a LUNA perdeu muito valor e sua “queima” não foi o suficiente para lastrear a UST, que diferentemente das outras criptomoedas do tipo, não possuía reservas no ativo que acompanha. Assim, a stablecoin perdeu a sua paridade com o dólar, gerando pressão vendedora ainda mais em ambas as moedas e trazendo a ruína para o ecossistema Terra.

(Mynt/Divulgação)

A LUNA, que já chegou a ser cotada em mais de US$ 119, sofreu quedas de tamanha magnitude, que será muito difícil se recuperar. No momento, a LUNA apresenta queda de 6,38% nas últimas 24 horas.

Ainda em meio à indecisão de volatilidade que dominam o mercado cripto nas últimas semanas, a maior criptomoeda do mundo luta para se manter acima dos US$ 30 mil. O bitcoin, que já chegou a custar mais de US$ 60 mil no último ano, opera em alta de 2,4% e é cotado a US$ 30.628 no momento, de acordo com dados do CoinGecko.

O ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum, inicia esta terça-feira cotado a US$ 2.106, apresentando alta de 3,6%. No entanto, o analista técnico do BTG Pactual Lucas Costa, aponta que uma recuperação nas duas principais criptomoedas pode não acontecer ainda.

A aversão ao risco ainda está presente nas mentes de investidores. O Índíce de Medo e Ganância atinge seu menor número desde 2020, configurando "medo extremo".

Enquanto isso, uma criptomoeda se destaca com alta de 13,43% nas últimas 24 horas. Trata-se da GMT, uma das criptomoedas do STEPN. O jogo, que estreia o modelo move-to-earn, recompensa seus jogadores em GMT por suas atividades físicas, e se tornou uma verdadeira febre entre os investidores que querem lucrar enquanto cuidam da saúde.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok