Future of Money

Bybit supera Coinbase e é a segunda maior corretora de criptomoedas do mundo

Relatório da empresa de análises Kaiko aponta que exchange dobrou sua participação no mercado cripto nos primeiros meses de 2024

Coinbase perdeu posição como segunda maior corretora cripto (Michael Nagle/Getty Images)

Coinbase perdeu posição como segunda maior corretora cripto (Michael Nagle/Getty Images)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 26 de junho de 2024 às 09h23.

A exchange Bybit superou a Coinbase e é agora a segunda maior corretora de criptomoedas do mundo. A informação foi divulgada pela empresa de análises Kaiko, que produz relatórios sobre o volume de negociações das exchanges centralizadas do mercado cripto.

O relatório mais recente da companhia, divulgado na última terça-feira, 25, aponta que "desde outubro, a participação de mercado da Bybit aumentou de 8% para 16%, ultrapassando a Coinbase em março para se tornar a segunda maior exchange depois da Binance".

Durante o mesmo período, a participação de mercado da Coinbase aumentou apenas 1%, apesar da empresa reportar melhores lucros e receitas na comparação entre o primeiro trimestre de 2024 e o último de 2023.

Na visão da Kaiko, o crescimento da participação de mercado da Bybit pode ser parcialmente atribuído a problemas regulatórios passados enfrentados pela Binance, que fizeram a maior exchange de criptomoedas do mundo perder parte de seu domínio sobre a indústria cripto.

À medida que a participação de mercado da Bybit cresceu mais de 8 pontos percentuais nos últimos oito meses, a Binance tem perdido força. Desde outubro, o domínio da empresa caiu de 60% para 54%, uma diminuição de 6 pontos percentuais, que pode ser parcialmente atribuída às dificuldades regulatórias da exchange.

De acordo com a Kaiko, "isso pode indicar que a exchange se beneficiou dos problemas regulatórios da Binance". Em 21 de novembro de 2023, autoridades dos EUA anunciaram um acordo de US$ 4,3 bilhões com a Binance por violações de combate à lavagem de dinheiro, marcando uma das multas criminais mais significativas na história dos EUA.

Outro fator que pode ter influenciado no crescimento da Bybit foi a decisão de introduzir uma negociação de ativos via USDC - uma stablecoin pareada ao dólar - sem pagamento de taxa pelos usuários. A mudança, porém, foi implementada em fevereiro de 2023, meses antes do crescimento efetivo da participação da exchange.

No geral, as taxas médias da Bybit estão no mesmo nível das oferecidas pelas exchanges Binance e OKX, que estão entre as taxas mais baixas da indústria, de acordo com a Kaiko.

Ben Zhou, cofundador e CEO da Bybit, destacou em um comunicado que "nosso compromisso em oferecer taxas competitivas, uma plataforma segura e produtos inovadores como a Conta de Negociação Unificada tem ressoado com nossos usuários".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Ingressos tokenizados: como funcionam e como podem combater golpes e pirataria no setor?

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Mais na Exame