Future of Money

Blockchains poderão se conectar ao mercado financeiro tradicional com nova ferramenta; entenda

Vários dos principais bancos do mundo como Citi e BNY Mellon já estão colaborando com a Chainlink para explorar as aplicações do blockchain no mercado tradicional

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 20 de julho de 2023 às 13h58.

A empresa de desenvolvimento por trás do protocolo Chainlink lançou um protocolo cross-chain, com o objetivo de promover a interoperabilidade entre empresas financeiras tradicionais e blockchains públicas e privadas.

Em uma postagem divulgada em 17 de julho no blog da Chainlink, o diretor de produtos da Chainlink Labs, Kemal El Moujahid, anunciou que o Cross-Chain Interoperability Protocol (CCIP) – Protocolo de Interoperabilidade entre Cadeias, em tradução livre – será lançado com acesso antecipado nas redes de testes de Ethereum, Avalanche, Polygon, Arbitrum e Optimism.

Os desenvolvedores dessas plataformas terão acesso ao CCIP em suas respectivas redes de teste nesta quinta-feira, 20 de julho.

"O Chainlink Cross-Chain Interoperability Protocol (CCIP) foi lançado oficialmente nas redes principais de Avalanche, Ethereum, Optimism e Polygon", publicou a Chainlink no Twitter.

O CCIP é um protocolo de interoperabilidade que permite que as empresas transfiram dados e valores entre blockchain públicos ou privados diretamente de seus sistemas de back-end.

  • Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

A solução de interoperabilidade da Chainlink usa a infraestrutura de mensagens do sistema Swift, o mesmo que é usado por mais de 11.000 bancos em todo o mundo para facilitar pagamentos e liquidações internacionais.

Somente em 2021, a rede liquidou cerca de US$ 1,8 quatrilhão em transações efetuadas através de seus mais de 11.000 bancos membros, de acordo com a Rede de Execução de Crimes Financeiros dos Estados Unidos.

O cofundador e CEO da Chainlink, Sergey Nazarov, explicou em 17 de julho que o CCIP tem como objetivo criar uma ponte entre os mundos on-chain e off-chain:

"Assim como os principais padrões, como o TCP/IP, transformaram a internet fragmentada no início da internet na única internet global que todos conhecemos e usamos hoje, estamos criando o CCIP para conectar o cenário fragmentado das blockchains públicas e o crescente ecossistema de redes bancárias em uma única Internet de Contratos."

Uma solução de interoperabilidade que possa transmitir perfeitamente o valor entre diferentes redes será um bloco de construção essencial para uma sociedade movida a blockchain, acrescentou Nazarov.

Entre outras instituições financeiras que estão explorando o uso da solução de interoperabilidade da Chainlink estão BNY Mellon, BNP Paribas, Citi, Australia and New Zealand Banking Group, Clearstream, Euroclear e Lloyds Banking Group, de acordo com a Chainlink.

Além das cinco blockchains que integram o CCIP, o protocolo financeiro descentralizado AAVE está pronto para implementar a solução de interoperabilidade, enquanto a plataforma descentralizada de derivativos Synthetix já está ativa na rede principal do CCIP.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasCriptoativosBlockchain

Mais de Future of Money

Bitcoin ou ether: o que comprar após forte queda das criptomoedas?

Empresa brasileira usa tokenização para permitir investimentos em hits do piseiro

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Mais na Exame