Após falas do presidente do Fed, bitcoin recupera os US$ 21 mil e criptomoedas disparam

Otimismo volta ao mercado de criptomoedas, com os principais ativos em alta; bitcoin recupera importante patamar de preço e sobe mais de 10%
Bitcoin subiu mais de 10% (Malte Mueller/Getty Images)
Bitcoin subiu mais de 10% (Malte Mueller/Getty Images)
M
Mariana Maria SilvaPublicado em 09/09/2022 às 10:53.

Movimentando US$ 94 bilhões nesta-sexta-feira, 9, o mercado de criptomoedas recupera 6,7% de sua capitalização. Depois de algumas semanas em queda, as principais criptomoedas sinalizam recuperação. O bitcoin, a maior delas, é cotado a US$ 21.028 e sobe 10,1% nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinGecko.

Segundo Thaís Almeida, analista da Titanium Asset Management, os ânimos parecem estar se restabelecendo em perspectiva de retração inflacionária estabelecido na última quinta-feira, 8, mesmo após discurso de Jerome Powell.

Em seu discurso, Powell, que é o presidente do banco central-norte-americano, afirmou que o órgão deverá continuar com uma postura agressiva contra a inflação recorde no país.

(Mynt/Divulgação)

“A história adverte fortemente contra o afrouxamento prematuro da política [monetária]”, disse Powell em um evento organizado pelo Think Tank Cato Institute, o compromisso de controlar a inflação.

No entanto, o mercado está otimista quanto ao futuro e já começa a precificar uma inflação mais atenuada e a redução no ritmo de aumento dos juros nos EUA em 2023, de acordo com especialistas.

Outra razão para o sentimento positivo do investidor em criptomoedas seriam os indicadores de aquecimento econômico e a perspectiva de superação dos percalços estabelecidos pela pandemia de Covid-19, segundo Thaís Almeida, da Titanium Asset Management.

“Mesmo com os aumentos sendo parte do ciclo de aperto monetário, a precificação por parte do mercado se encontra otimista com o fortalecimento da perspectiva de um horizonte mais breve para o início do afrouxamento das políticas contracionistas”, disse.

Ela acrescentou que “o arcabouço principal de sustentação das altas taxas de juros era o contexto da crise instaurara pela Covid-19, que segue esfriando aos poucos com a retomada econômica, e, consequentemente, enfraquecendo o principal argumento sustentado pelo Federal Reserve, que liderou o movimento de aumento das taxas com mais de 220 pontos base de ajuste neste ano”.

Além do bitcoin ter atingido uma importante faixa de preço ao ultrapassar os US$ 21 mil, outras criptomoedas também apresentam alta nesta sexta-feira, 9.

O ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum, segue gerando dúvidas em investidores. Com uma atualização em curso, prevista para ser concluída em 15 de setembro, a rede modificará a forma como suas transações são validadas e prevê a economia de até 99% de energia, se tornando mais sustentável.

Enquanto espera-se que a “The Merge”, como ficou conhecida a atualização, seja bem-sucedida, a criptomoeda sobe 5,4% e é cotada a US$ 1.721 no momento, de acordo com dados do CoinGecko.

Cardano, Solana, Polkadot, Polygon e Avalanche também sobem nesta sexta-feira, 9. As criptomoedas se destacam com altas de 4,8%, 6,1%, 8,5%, 6,2% e 7,2%, respectivamente, de acordo com o CoinGecko.

“Com anúncio de que o indicador de pressão de preços abaixo do alvo de 2%, projetado como alvo pelo Fed, o horizonte de início para o corte das taxas de juro finalmente começa a se concretizar, com expectativas de início de flexibilização já no segundo trimestre de 2023”, explicou Thais Almeida.

“De forma natural, os mercados seguem se beneficiando do otimismo instaurado com aumento do apetite a risco do investidor, favorecendo o ecossistema não apenas cripto, mas financeiro como um todo”, concluiu.

Os criptoativos também acompam o movimento das bolsas americanas, que fecharam em alta no dia anterior. Os índices Nasdaq, S&P 500 e Dow Jones Industrial Average subiram mais de meio ponto percentual, de acordo com o Yahoo Finance.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok