União Europeia quer conselhos com 1/3 de presença de mulheres até 2027

Os países integrantes do bloco apoiaram nesta segunda-feira uma abordagem ampla para buscar uma legislação da UE e iniciar negociações com o Parlamento Europeu
 (Yves Herman/Reuters)
(Yves Herman/Reuters)
Por BloombergPublicado em 15/03/2022 13:09 | Última atualização em 15/03/2022 13:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Por Lyubov Pronina, da Bloomberg

A União Europeia concordou em exigir que empresas tomem medidas para garantir que pelo menos 33% de todos os cargos do conselho sejam preenchidos por mulheres até 2027, enquanto o bloco busca melhorar o equilíbrio de gênero nos cargos de liderança das empresas listadas em bolsa.

Os países integrantes do bloco apoiaram nesta segunda-feira uma abordagem ampla para buscar uma legislação da UE e iniciar negociações com o Parlamento Europeu. Eles estabelecem uma meta mínima de ter 40% dos cargos de administração não executiva ocupados por mulheres em cinco anos, ou 33% se todos os membros do conselho forem considerados. As empresas que não atingirem essas metas terão de aplicar critérios claros, inequívocos e formulados de forma neutra ao nomear ou eleger diretores, de acordo com uma declaração do Conselho Europeu.

“Com nossa proposta #WomenOnBoards, queremos quebrar o teto de vidro que impede que mulheres talentosas subam aos conselhos”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no Twitter. “Agora estou ansiosa pela rápida adoção de nossa proposta.”

Em outubro do ano passado, as empresas europeias tinham uma média de 30,6% dos cargos no conselho ocupados por mulheres e apenas 8,5% dos cargos de presidente do conselho, com grandes lacunas entre os países, disse o conselho europeu.

De acordo com a proposta, os Estados-membros teriam de garantir que as empresas priorizem as candidatas do gênero feminino na escolha entre pessoas igualmente qualificadas em termos de aptidão, competência e desempenho profissional.