Danone mostra resultados e compromissos em relatório de sustentabilidade

Reciclagem, combate à fome e redução das emissões de carbono na produção são alguns dos pilares de sustentabilidade detalhados pela Danone
 (Germano Luders/Exame)
(Germano Luders/Exame)
Por Marina FilippePublicado em 06/05/2022 13:12 | Última atualização em 18/05/2022 10:31Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A fabricante de alimentos Danone divulga o Relatório de Sustentabilidade 2021, onde mostra como mais de R$ 5,3 milhões foram investidos em projetos de sustentabilidade em diferentes áreas. Das fábricas, aos produtores, fornecedores, colaboradores e consumidores, foram realizados programas que vão da responsabilidade social e ambiental.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se

“Os desafios das grandes empresas de alimentos e bebidas estão cada vez mais complexos, exigindo estratégias robustas e inteligentes para solucionarmos as questões que permeiam toda a cadeia. Na Danone, optamos sempre pelo caminho da sustentabilidade, da ética e da transparência para desenvolvermos projetos de impacto real na vida das pessoas", afirma Cibele Zanotta, diretora de Sustentabilidade e Assuntos Corporativos da Danone Brasil.

A Danone tem apostado em parcerias, como as com a Rede Brasil, do Pacto Global das Nações Unidas (ONU), epara conduzir seus negócios considerando nove, dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Hoje, uma série de compromissos decombate às mudanças climáticas, a circularidade de embalagens, a neutralidade de carbono, o consumo de energia, o desperdício de alimentos e o uso racional da água estão em pauta.

Exemplos práticos de sustentabilidade na Danone

Em 2021 a Danone teve 100% de suas garrafas PET Bonafont recicladas e utilizou apenas energia renovável em toda sua operação. Na frente de circularidade, a Danone está comprometida em, até 2025, utilizar apenas embalagens circulares, recicláveis, retornáveis e compostáveis; ter cerca de 50% de material reciclado em garrafas de água e outras bebidas; oferecer produtos em garrafas de plástico renovável (bioPET); e ter, em média, 25% de material reciclado em todas as embalagens.

As estratégias de combate às mudanças climáticas e de neutralização das emissões de carbono são outros dois temas no relatório: a empresa se compromete atingir emissões líquidas zero em toda a cadeia de valor até 2050, desde as fazendas das quais adquirem matéria prima, até o fim da vida útil dos produtos; além de investir fortemente em técnicas de produção de leite, como a implementação da agricultura regenerativa, que integra pecuária e floresta (IPF) na criação dos animais.

“O Projeto Flora, nossa iniciativa de agricultura regenerativa, é uma chave fundamental para alcançarmos nossas metas de promoção do bem-estar animal, produção de leite zero carbono, combate às mudanças climáticas e incentivo aos pequenos produtores. No Brasil, já estamos operando por meio da técnica IPF em três fazendas. O objetivo é chegar a 38 propriedades até 2023”, conta Cibele.

Na frente de agricultura regenerativa, o principal resultado obtido até agora é a conclusão da primeira etapa do projeto piloto, de 2019 a 2021, com a reestruturação da Fazenda Gordura, de Guaranésia (MG). A propriedade foi a sede desta etapa inicial, para a qual a companhia já destinou mais de R$ 2 milhões.

Neste período, foram inseridos os primeiros animais no pasto, de forma livre, seguindo este modelo de ecossistema que considera a integração pecuária-floresta.  Além das melhores condições de pastagem, um dos benefícios desse programa é a melhora significativa no bem estar dos animais, gerando um aumento de cerca de 60% na produtividade do leite.

Já na frente ambiental, a Danone foca no desenvolvimento das pessoas e em ampliar as oportunidades educacionais, culturais e profissionais, além de garantir os direitos básicos à população, como o acesso à alimentação.

Por isso, a companhia realiza um trabalho de combate à fome e ao desperdício de alimentos, por meio de parcerias que promovem e incentivam a doação de alimentos, a disseminação de informações e a democratização de diálogos complexos, como sobre ampliar o marco regulatório das doações de alimentos.

Em 2021, foram mais de 170 mil kg de produtos doados e mais de 315 instituições atendidas. Desde o início da pandemia de Covid-19, quase dois milhões de refeições foram doadas a pessoas em situação de vulnerabilidade, por meio de projetos como o Mesa Brasil Sesc e o Todos à Mesa, composto por uma coalização de empresas.

Ainda no contexto da pandemia, a empresa contribuiu com um estudo sobre o uso de terapia nutricional especializada na recuperação de pacientes acometidos pelo coronavírus.  Com a participação de 16 países, a Danone publicou quatro ensaios científicos. O relatório completo pode ser conferido no site.

Veja também