Brasil e Alemanha anunciam edital para projetos de biotecnologia

Chamada acontece durante a oitava edição do Green Rio, evento anual sobre bioeconomia que contará com a presença da ministra da Agricultura alemã

Será lançado hoje um edital para projetos de biotecnologia promovido por Brasil e Alemanha. A chamada será anunciada durante o Green Rio, evento anual sobre bioeconomia que está em sua oitava edição. Este ano, toda a programação será online, em virtude da pandemia. 

O evento, que começa amanhã, vai até o dia 26 de outubro. A programação terá mais de 50 palestrantes, entre eles, o cientista Carlos Nobre, criador do programa Amazônia 4.0, Marcelo Britto, presidente da Associação Brasileiro do Agronegócio, e Eva Müller, ministra da agricultura da Alemanha. 

A bioeconomia já é um mercado de 2,3 trilhões de dólares, somente na Europa. Por ter a maior biodiversidade do planeta, o Brasil é considerado uma potência adormecida no setor. Para o Brasil, desenvolver esse mercado pode representar um acréscimo de 15% no PIB, o equivalente a 2,8 trilhões de reais, até o final da década, segundo um estudo do WRI, uma das principais entidades ambientalistas dos Estados Unidos, junto a pesquisadores brasileiros da PUC-Rio, da escola de negócios Coppe/UFRJ, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Uma das ideias sendo debatidas no Brasil é a de mudar a governança do programa da Zona Franca de Manaus, incluindo critérios para atrair investimentos ligados à biotecnologia. Isso seria possível com a constituição de cadeias de microempreendedores sustentáveis na região, com investimentos em pesquisa atrelados à bioeconomia, infraestrutura e capacitação profissional.

Em agosto, representantes das indústria da Zona Franca se reuniram com o vice-presidente, Hamilton Mourão, para tratar do assunto. Eles entregaram um documento a Mourão com propostas para a criação de um plano de desenvolvimento, em linha com a bioeconomia. 

As movimentações em torno da bioeconomia ocorrem em meio a uma mobilização inédita do capitalismo brasileiro em prol do meio ambiente. Como mostra reportagem da revista EXAME desta quinzena, desde julho 70 empresas de grande porte assinaram documento pressionando o governo brasileiro a tomar medidas para manter florestas como a Amazônia e o Pantanal de pé.

Além disso, elas abriram a carteira para financiar projetos de preservação ambiental. Nas contas do CEBDS, uma ONG dedicada ao meio ambiente, mais de 6 bilhões de reais já foram empenhados em projetos desse tipo. A quantia supera tudo o que foi doado pela filantropia brasileira a todas as causas sociais e ambientais ao longo de 2018, último ano com dados consolidados.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.