ESG

BK Brasil, do Burger King e Popeyes, anuncia compromissos ESG

BK Brasil, máster franqueada do Burger King e Popeyes anuncia compromissos de sustentabilidade, consumo e diversidade. Entre as metas há o oferecimento de alimento livre de conservantes, aromatizantes e aditivos de fontes artificiais

Burger King: dona da rede no Brasil, Zamp, é alvo de oferta de aquisição por fundo Mubadala Capital, de Abu Dhabi (Eduardo Frazão/Exame)

Burger King: dona da rede no Brasil, Zamp, é alvo de oferta de aquisição por fundo Mubadala Capital, de Abu Dhabi (Eduardo Frazão/Exame)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 19 de outubro de 2021 às 09h00.

Última atualização em 19 de outubro de 2021 às 17h32.

A BK Brasil, máster franqueada do Burger King e Popeyes, acaba de anunciar seus compromissos de ESG (sigla para Environmental, Social and Governance ou Ambiental, Social e Governança, em tradução livre). As metas estabelecidas são focadas em três pilares chamados de: Nossa Comida, Nossa Pegada e Nossa Gente.

Os caminhos da sustentabilidade serão temas da COP 26, com cobertura na EXAME. Fique por dentro.

A partir dessa subdivisão, a companhia apresenta os avanços de suas iniciativas, olhando para o consumo consciente e futuro da indústria de fast-food.

Além do portfólio, a organização anuncia compromissos voltados para a diversidade, como a presença feminina em 50% dos cargos de liderança, e políticas voltadas para o meio-ambiente, como o reaproveitamento de resíduos e descarte responsável de detritos em todos os restaurantes das redes.

A companhia também prevê o acompanhamento mais próximo da cadeia produtiva para garantir o cumprimento e a implementação das melhores práticas de sustentabilidade.

Sem ingredientes de origem artificial

Dentre os destaques dos compromissos da BK Brasil, está o oferecimento de alimento livre de conservantes, aromatizantes e aditivos de fontes artificiais, como foco as marcas Burger King e Popeyes. O cumprimento da iniciativa tem previsão para acontecer até 2025.

Em setembro de 2020, o Burger King anunciou a retirada de todos os ingredientes de origem artificial do Whopper, chegando ao número de 277 milhões de toneladas de conservantes artificiais a menos em seu carro-chefe. Atualmente, 70% do cardápio do Burger King já é livre desses ingredientes artificiais.

A iniciativa global faz parte de um movimento chamado Feel Good About the Food, que contempla uma série de transformações no portfólio e posicionamento, como, também, o lançamento do sanduíche Veggie e do Whopper de Plantas (plant-based). Confira outras iniciativas:

  • Atingir 90% de reciclagem/compostagem do lixo dos restaurantes de rua até 2025. Com o Projeto Aterro Zero, que existe desde 2019, a companhia em parceria com a Ambiensys realiza o transporte e destinação final dos resíduos gerados nas lojas do Burger King, visando o mínimo impacto ambiental, além da valorização desses materiais e aplicação da economia circular. Até agora, a redução de resíduos aos aterros foi de 180 toneladas, das quais 105 toneladas geraram subprodutos que foram reinseridos no mercado.

 

  • Reciclar 100% do óleo dos restaurantes até 2021, sendo que desde 2018, o Burger King já realiza a coleta de todo óleo para o reaproveitamento do insumo. Durante esses anos, foram coletados mais de dois milhões de litros de óleo, transformados em biodiesel, sabão biodegradável e outros insumos.

Reaproveitamento de resíduos e uso de recursos

Nesta frente a companhia anuncia compromissos como a redução em 30% a emissão de Gases do Efeito Estufa em toda companhia até 2030. Com a Geração de Energia Distribuída, o Burger King do Brasil mostra já reduzir 1.500 toneladas de emissão de CO² por ano da sua operação própria, equivalente a plantação de 6.000 árvores no ano.

Para a eliminação do fornecimento de plástico para seus clientes em seus restaurantes até 2025, tanto o Burger King quanto o Popeyes já extinguiram desde 2018, o uso canudos de plástico, gerando uma redução de 31MM canudos/ano, o equivalente a 105 toneladas de matéria prima anual.

Para além disso, desde 2020, o Burger King já não usa mais caixinhas de papelão no combo King Jr, atingindo a economia de mais de 119 toneladas de papel por ano.

A marca também extinguiu caixas para a entrega dos seus sanduíches. No lugar, são utilizadas somente lâminas de papel para embalar os produtos.

A companhia também implementou guardanapeiras em seus restaurantes Burger King e Popeyes, que evitam o uso de plástico ou papel para envolver guardanapos.

Diversidade e inclusão

Dentro do pilar “Nossa Gente” a companhia assumiu um compromisso de evolução nos processos de recrutamento e seleção para que sejam livres de pré-julgamento, até 2023. Assim, pelo terceiro ano consecutivo, a BK Brasil realiza um processo seletivo às cegas para trainee, priorizando as habilidades técnicas e comportamentais. Nesta frente, outras metas são:

  • Garantia de 50% de representatividade feminina na liderança do corporativo e restaurantes até 2025. Atualmente, a presença feminina em seus restaurantes é de 49,59%, um total ponderado entre todos os cargos: Gerências Regionais, Coordenações de Operações, Gerências de Negócios e Coordenações de Turno.

 

  • Aumentar a representatividade de grupos diversos (pretos e pardos, pessoas com deficiência, LGBT+s e profissionais mais velhos) no corporativo até 2025.

“Temos como objetivo servir comida de verdade, com a melhor qualidade, inovação, bons ingredientes e de forma cada vez mais sustentável. Acreditamos que os compromissos oficialmente lançados firmam um pacto global, impactando positivamente a sociedade e o futuro do nosso planeta”, diz Iuri Miranda, CEO da BK Brasil, máster franqueada da Burger King e Popeyes no país.

yt thumbnail

 

Acompanhe tudo sobre:Burger KingDiversidadeFast foodRestaurantesSustentabilidade

Mais de ESG

Perto do Círculo Polar Ártico, autoridades alertam para calor intenso

Como fazer um testamento? Onde fazer? Quais os documentos necessários?

Enchente no RS: mancha escura de sedimentos chega ao oceano

Para além da Nvidia: como o ChatGPT está mudando a dinâmica do mercado de ações, segundo a Gavekal

Mais na Exame