Apenas 8% das lideranças de empresas são LGBTI+, aponta estudo

A pesquisa Diversidade e Inclusão (D&I), realizada pela consultoria global Great Place To Work (GPTW), mostra a situação dos profissionais LGBTI+ no ambiente de trabalho
 (Getty Images/Javier Zayas Photography)
(Getty Images/Javier Zayas Photography)
Por Marina FilippePublicado em 23/06/2022 08:00 | Última atualização em 22/06/2022 16:29Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A consultoria global Great Place To Work (GPTW) divulga os resultados da pesquisa Diversidade e Inclusão (D&I), realizada com o objetivo de mapear aspectos e características das minorias sociais dentro dos ambientes de trabalho a partir de recortes por grupos. Um exemplo é o filtro específico para a população LGBTI+.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

Dentre as principais conclusões, o levantamento revela que a grande maioria das pessoas em cargos de chefia, direção e presidência são pessoas cis heteronormativas (92%), ou seja, aquelas que se identificam com o sexo atribuído a elas ao nascer e se atraem pelo gênero oposto.

No geral, só 10% dos funcionários se autodeclaram LGBTI+. Além disso, no recorte de funcionários em cargos de liderança, apenas 8% são LGBTI+. E no caso de cargos de presidência, só 6% se autodeclaram LGBTI+. A grande maioria das pessoas em cargos de chefia, direção e presidência são pessoas cis heteronormativas (92%).

Os LGBTI+ também são os que mais escutam piadas e comentários preconceituosos: 24% afirmam terem presenciado com muita ou alguma frequência.

O grupo, que considera importante trabalhar em um ambiente inclusivo (72%), ainda é o que passa por situações de discriminação, assédio ou intimidação mais vezes, cerca de 20%.

Mais especificamente, 38% dos pansexuais (aqueles que não restringem a sexualidade ao gênero oposto, ao mesmo gênero ou gêneros binários, masculino e feminino) e 24% dos homossexuais afirmaram ter sofrido alguma discriminação, assédio ou intimidação no trabalho. Entre os heterossexuais o número é de 12%.

"A pesquisa é importante para levarmos em consideração a percepção do funcionário de alguma minoria, e sobretudo, se as práticas e ações que as empresas estão criando realmente estão tendo um impacto. Hoje vemos a pauta de diversidade e inclusão considerada estratégica na agenda corporativa pelas empresas, mas na prática não vemos isso acontecer no sentido de colocar o tema como principal e ter ações voltadas para isso", diz Raul Valle, consultor e especialista em diversidade do GPTW.

Como balanço geral, a D&I mostra que as políticas de respeito, integração e que tornam um ambiente profissional diverso, estão com uma ligeira retração na importância das diretrizes do mundo corporativo.

Além de colocar em prática, por exemplo, processos seletivos para minorias, é primário quebrar estereótipos e preconceitos dos funcionários, começando pelo topo da hierarquia.

"Acho que é falta de preparo da liderança como um todo. Se está no "DNA" que a empresa é diversa e inclusiva, é preciso alinhamentos. Assim, cada vez mais se evita que funcionários LGBTI+ se sintam vulneráveis", acrescenta Valle.

Metodologia de pesquisa 

  • A Pesquisa de Diversidade & Inclusão foi realizada entre outubro 2021 e junho de 2022.
  • Foram coletadas 14.042 respostas. O levantamento, que está em constante atualização, contemplou empresas de vários segmentos, que aplicaram a pesquisa D&I entre seus funcionários de maneira sigilosa.
  • A metodologia GPTW vem buscando cada vez mais olhar para as práticas de diversidade de inclusão, reconhecendo as melhores empresas nesse sentido.

“Vemos que dentro dos grupos de diversidade, a minoria que acaba sendo mais prejudicado são os LGBTI+, primeiro, obviamente, porque são os que mais sofrem alguma discriminação nas empresas. Esse grupo também é o que mais preza por um ambiente de trabalho inclusivo e que considera que as boas ações e práticas aplicadas nas empresas são pouco ou nada eficientes", diz Valle.