Setor de serviços cresce 1,7% em março e alcança maior nível desde 2015

Na comparação com março do ano anterior, houve elevação de 11,4% em março de 2022, já descontado o efeito da inflação
 (Jonne Roriz/Bloomberg/Getty Images)
(Jonne Roriz/Bloomberg/Getty Images)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 12/05/2022 10:18 | Última atualização em 12/05/2022 10:18Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O setor de serviços no Brasil subiu 1,7% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, informou nesta quinta-feira, 12, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mês anterior, o resultado do indicador foi revisto de -0,2% para +0,4%.

O resultado de março ficou acima da mediana de +0,8% das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast e dentro do intervalo das previsões, de queda de 1,5% a alta de 3,2%.

 Com o resultado, o setor recupera a perda de janeiro, alcança o maior nível desde maio de 2015 e fica 7,2% acima do patamar pré-pandemia.

Na comparação com março do ano anterior, houve elevação de 11,4% em março de 2022, já descontado o efeito da inflação. Nessa comparação, as previsões eram de uma elevação de 5,8% a 10,7%, com mediana positiva de 8,4%.

A taxa acumulada no ano - que tem como base de comparação o mesmo período do ano anterior - foi de aumento de 9,4%. Em 12 meses, os serviços acumulam alta de 13,6%.

A receita bruta nominal do setor de serviços subiu 1,2% em março ante fevereiro. Na comparação com março de 2021, houve avanço de 17,9% na receita nominal.

LEIA TAMBÉM: 

Batata, leite, táxi, remédios: veja o que mais subiu de preço em abril

Quando a inflação começará a cair? Veja as projeções