Reunião da OMC termina com aliança contra a China

ÀS SETE - Estados Unidos conseguiram convencer União Europeia e Japão a se juntarem numa declaração contra países com alto caráter fabril

A conferência da Organização Mundial do Comércio (OMC), que acontece desde domingo em Buenos Aires, chega ao fim nesta quarta-feira sem grandes definições para o Brasil, mas com um inusitado acordo internacional.

Os Estados Unidos conseguiram convencer União Europeia e Japão a se juntarem numa declaração contra países com alto caráter fabril – um ataque à China, apesar de ela não ser mencionada diretamente.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A 11ª reunião ministerial da OMC teve como pano de fundo a completa hostilidade dos Estados Unidos aos acordos comerciais multilaterais, já que o presidente Donald Trump chegou a afirmar em alguns momentos de seu mandato que a organização é um “desastre”.

Porém, o fato de a China subsidiar sua indústria e de ter excessiva capacidade de produção foram os argumentos utilizado pela União Europeia para aderir ao lado americano, alegando que a prática afeta o comércio global de forma dramática.

A declaração afirma que práticas como as chinesas distorcem o mercado, derrubando preços e provocando demissões ao redor do mundo.

Os chineses, por sua vez, defenderam que a OMC defenda a globalização das práticas protecionistas que países como os Estados Unidos têm praticado – inclusive sob o slogan “America First”.

As polêmicas em relação à China nesta edição acabaram por esfriar as discussões sobre conceder ao país o status de economia de mercado.

Essa também foi a primeira edição do evento, que está em sua 11ª, realizada na América Latina, o que, na teoria, abria uma janela de oportunidades para  avançar a negociação de acordos entre Brasil e Argentina e para a continuidade das conversas sobre o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia.

Até agora, nada foi nada definido, mas há expectativas de que algum anúncio possa ser feito nesta quarta-feira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.