A página inicial está de cara nova Experimentar close button

O pacote do Banco Central

Menos de uma semana após o ministério da Fazenda apresentar seu pacote de medidas econômicas, nesta terça-feira será a vez de o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, anunciar uma série de medidas para tentar estimular a economia. Em entrevista publicada na última edição da revista EXAME, Goldfajn disse que o banco não é insensível aos problemas econômicos – em resposta às constantes críticas sobre a demora para reduzir a taxa de juros do país. Nesta terça-feira o mercado espera que ele dê uma prova disso.

As medidas, é verdade, devem ser estruturais e, por isso, não possuem necessariamente o foco no curto prazo, mas sim na melhora do sistema. De qualquer forma, parte delas deve vir para combater as dívidas das empresas e famílias brasileiras – um dos problemas cruciais da economia atual e que também o foco do pacote apresentado pela Fazenda.

Uma das medidas que deve ser anunciada pelo Banco Central é o estímulo à criação de um mercado de crédito secundário como alternativa de financiamento para a construção civil, hoje dependente dos recursos da caderneta de poupança e do FGTS. Para isso, o BC deve regulamentar a Letra Imobiliária Garantida (LIG), que chegou a ser anunciado pela Fazenda na última semana.

Outra medida que deve ser apresentada é a criação de depósitos remunerados das instituições financeiras no Banco Central, como acontece em outros países. Isso reduziria a necessidade de vender títulos do Tesouro e reduziria a dívida bruta do país.

Não está claro ainda se o BC anunciará uma das medidas mais polêmicas que foi antecipada pela Fazenda na última semana: a redução do prazo para que lojistas recebam, das credenciadoras de cartão, os valores referentes às vendas. Ontem, a maior fintech do país, o Nubank, que já emitiu 1 milhão de cartões desde 2014, disse que a medida quebraria a empresa. A visão de economistas é de que essa medida requer um estudo de longo prazo. “As empresas não têm estrutura para isso. Os contratos firmados já vêm com o prazo de 30 dias para o pagamento. Isso é algo que precisaria ser discutido, com negociações no setor, antes de qualquer anúncio”, diz Rafael Gonçalves Cardoso, economista-chefe da Daycoval Investimentos. Com a palavra, Ilan Goldfajn.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também