Economia

Nem pacote deve impulsionar economia esse ano

Economistas acreditam que programa anunciado hoje pelo governo deve ter maior impacto no longo prazo


	Dilma durante anúncio de investimentos de 133 bilhões de reais em rodovias e ferrovias
 (Roberto Stuckert Filho/PR)

Dilma durante anúncio de investimentos de 133 bilhões de reais em rodovias e ferrovias (Roberto Stuckert Filho/PR)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de agosto de 2012 às 13h28.

São Paulo – O governo anunciou hoje um pacote de investimentos em rodovias e ferrovias de 133 bilhões de reais em 25 anos. Diferentemente de outros pacotes anunciados recentemente pelo governo, que visavam estimular a economia no curto prazo, esse parece estar mais voltado ao longo prazo, ou seja, não necessariamente vai ajudar a economia brasileira a crescer mais de 2% nesse ano.

Para Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco, o programa pode até estimular no curto prazo, dependendo da rapidez de sua implementação, mas é menos certo. “A relevância é para o longo prazo, o Brasil precisa de mais investimentos”, afirmou.

“É necessário ter planos no longo prazo e não só ficar no curto prazo, é totalmente diferente em relação ao que tínhamos”, disse Rogério Mori, professor da escola de economia da FGV. O professor destacou que o programa veio em um momento em que a infraestrutura brasileira precisa avançar. 

Mori também acredita que vai levar alguns anos até que efeitos mais concretos sejam sentidos – ou seja, que o programa não deve elevar a expectativa de crescimento de 1,81% do PIB brasileiro em 2012. “Estamos em agosto, esse ano já está dado, não tem mais o que fazer”, disse.

boletim Focus (elaborado pelo BC com base nas expectativas do mercado) dessa semana mostrou uma nova baixa na previsão de crescimento do PIB em 2012, de 1,85% para 1,81%. Para 2013, a estimativa permaneceu em 4%.

O governo ainda demonstra confiança no crescimento do PIB nesse ano. Nessa semana, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, reiterou a projeção de crescimento do PIB brasileiro em 4% anualizados para o segundo semestre deste ano.

Programa

Para Mori, era esperado um pouco mais em termos de projetos e investimentos. Os investimentos, nos próximos 25 anos, vão somar R$ 133 bilhões, sendo que R$ 79,5 bilhões serão investidos nos primeiros cinco anos. Para as rodovias, o total investido será R$ 42 bilhões e para as ferrovias, o programa de investimentos soma R$ 91 bilhões. Nas próximas semanas, serão anunciadas também concessões para portos e aeroportos.

Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraExploração de rodoviasFerroviasIndicadores econômicosPIBPrivatizaçãoSetor de transporteTransportes

Mais de Economia

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Dívida dos estados: projeto apresentado por Pacheco precisa passar por revisão, diz Haddad

Mais na Exame