Economia

Para Landau, privatizar é a melhor saída para a Eletrobras

“Estava com artigo pronto para ser publicado recomendando a privatização. Minhas preces foram atendidas”, disse a EXAME

Elena Landau: "toda privatização no Brasil, com exceção do governo Collor, foi feita por questão fiscal" (Daniel Marecon/ Folhapress/Folha de S.Paulo)

Elena Landau: "toda privatização no Brasil, com exceção do governo Collor, foi feita por questão fiscal" (Daniel Marecon/ Folhapress/Folha de S.Paulo)

LT

Letícia Toledo

Publicado em 22 de agosto de 2017 às 07h12.

Última atualização em 23 de agosto de 2017 às 15h36.

Em um anúncio para lá de inesperado o Ministério de Minas e Energia informou na noite de segunda-feira que vai propor a privatização da Eletrobras. O objetivo é incluir a maior companhia de energia da América Latina no Programa de Parceria de Investimentos (PPI).

Hoje, a União tem 51% das ações ordinárias (com direito a voto) e 40,99% do capital total da Eletrobras. A proposta é que o governo venda parte das ações da empresa na bolsa de valores, a exemplo do que já foi feito com a fabricante de aviões Embraer e a mineradora Vale, e com isso perca o controle da companhia (mantendo ainda uma participação). A economista Elena Landau, que presidia o conselho da Eletrobras até o fim de julho e foi diretora de Privatização do BNDES durante o governo Fernando Henrique Cardoso comemorou a notícia. “Estava com artigo pronto para ser publicado recomendando a privatização. Minhas preces foram atendidas”, disse a EXAME logo após o anúncio da privatização. Confira a entrevista a seguir.

Apesar dos avanços obtidos nos últimos trimestres, com a gestão do presidente Wilson Ferreira, a Eletrobras ainda tem uma dívida de 38,4 bilhões de reais. A privatização é a única saída para resolver os problemas da Eletrobras?

A privatização é a melhor saída para a Eletrobras, para a Petrobras e para qualquer outra estatal. Não há governança, por melhor que seja, que consiga proteger a empresa para sempre das trocas do governo e do uso político. É quase impossível para o governo não usar a empresa pública para seu benefício. Nesse último ano vimos uma ótima gestão, mas quem garante que isso será mantido no próximo governo?

A Eletrobras em geração, transmissão e distribuição de energia. Uma empresa tão complexa e tão grande consegue atrair interessados?

A parte de distribuição já está sendo privatizada. Vai sobrar geração e transmissão e a Eletrobras já está passando por um processo de reestruturação importante nas mãos do Wilson Ferreira. O setor privado vai ajudar nesse processo de reestruturação com muito mais tranquilidade e facilidade. Discutir a separação de ativos e demissão é um processo mais fácil no setor privado. O Wilson tende a continuar na frente, fazendo o seu excelente trabalho. E se o governo realmente ficar com uma participação na empresa ainda vai tirar um bom proveito de toda essa melhoria, com o pagamento de dividendo e impostos. O governo ganha sempre.

Existe uma urgência em privatizar a Eletrobras para ajudar no ajuste fiscal do país. A privatização não vai acontecer pelo motivo errado? Isso não atrapalha o processo de venda?

Toda privatização no Brasil, com exceção do governo Collor, foi feita por questão fiscal. O objetivo sempre foi gerar caixa para o governo ou vender porque não se tinha o dinheiro necessário para os investimentos na empresa. Mesmo no governo Fernando Henrique a privatização nunca foi feita por uma bandeira liberal. Infelizmente é só assim que as privatizações saem. Não é o motivo certo, mas a venda da Eletrobras vai ser colocada no PPI, vai passar por uma avaliação, a empresa tem liquidez, já tem capital aberto, não tem como vender por um preço errado.

Quais cuidados o governo precisará tomar para acertar na venda?

A grande preocupação do setor de transmissão e geração era de que ele poderia se concentrar na mão de um único grupo. Esse era o principal temor de se privatizar a Eletrobras. Mas da forma como o governo quer fazer não se corre esse risco. Ele não vai vender 50% para um determinado grupo. Nenhum grupo será dono da Eletrobras. O percentual vai ser colocado no mercado, na bolsa, é uma privatização madura e o mercado de capital está preparado para isso.

Acompanhe tudo sobre:Às Seteeconomia-brasileiraEletrobrasExame HojePrivatização

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame