Fitch eleva Brasil por expansão maior e corte de gasto

A agência elevou a nota em moedas estrangeira e local do país de "BBB-" para "BBB". A perspectiva passou de "positiva" para "estável"

Nova York - A agência de classificação de risco Fitch elevou a nota do Brasil em um grau, dizendo que o potencial de crescimento do país aumentou, ao mesmo tempo em que o governo mostra maior contenção fiscal.

As agências de rating vêm focando a habilidade do novo governo de cortar gastos, após anos de políticas fiscais expansionistas depois da crise mundial de 2008.

"A transição de poder para o governo (Dilma) Rousseff tem sido suave, e o consenso sobre as políticas macroeconômicas responsáveis continua bem ancorado", disse em comunicado Shelly Shetty, diretora de rating para a América Latina da Fitch.

"Além disso, o governo Dilma tem mostrado sinais de maior contenção fiscal, o que somado a perspectivas saudáveis de crescimento pode permitir uma queda da pesada dívida do governo do país." A agência acredita que a taxa potencial de crescimento sustentável do Brasil aumentou para 4 a 5 por cento.

A Fitch elevou a nota em moedas estrangeira e local do país de "BBB-" para "BBB". A perspectiva passou de "positiva" para "estável".

É a primeira das três grandes agências de risco a elevar o Brasil a duas notas acima do grau especulativo.

A agência Moody's já afirmou que pode aumentar a nota do Brasil na primeira metade do ano. A Standard & Poor's ainda tem perspectiva estável para a nota "BBB-".

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a elevação pela Fitch reflete a força da economia brasileira, e que o governo irá trabalhar em novas medidas para conter a apreciação do real se o movimento atrair mais capital para o país.

"Quanto mais sólida a economia brasileira fica, mais ela tende a atrair investimento externo em dólares. O que nesse momento é um certo problema, mas é melhor ter o problema de excesso de dólares do que o problema que tínhamos no passado de falta de dólares. O governo vai continuar fazendo medidas pra conter excesso de dólares", disse Mantega a jornalistas em Brasília.

Para o mercado, o impacto do anúncio da Fitch nos mercados não deve ser relevante.

"A revisão já estava precificada, então o impacto (no mercado) acaba sendo meio neutro. Claro, pode reforçar o fluxo de capitais entrando, mas por outro lado você tem o governo tentando segurar esse excesso", afirmou Flávio Serrano, economista sênior do Espírito Santo Investment Bank.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.