Comércio entre Coreia do Norte e China é prejudicado por sanções

Ao todo, o volume de comércio bilateral entre os dois países foi de 456 milhões de dólares no mês passado, retrocesso de quase 7% ante junho

As importações chinesas procedentes da Coreia do Norte, freadas pelas sanções internacionais, recuaram em julho, e as compras norte-coreanas da China também perderam vigor, após meses de alta, segundo estatísticas publicadas por Pequim.

Ao todo, o volume de comércio bilateral entre os dois países foi de 456 milhões de dólares no mês passado, retrocesso de quase 7% ante junho, segundo dados da aduana chinesa publicados na internet.

Essa redução se deve em parte à queda contínua das importações chinesas de seu vizinho. Em julho, elas caíram a 156,2 milhões de dólares, 3% menos que no mês anterior, e em um ano a retração já de mais de 30%.

A China, principal aliado de Pyongyang e destino de cerca de 90% das exportações norte-coreanas tinha suspendido em fevereiro todas as importações de carvão, cumprindo sanções adotadas pela ONU.

Essas restrições buscam privar o regime de Kim Jong-Un de uma fonte essencial de dinheiro, assim como frear seu programa balístico e nuclear.

Após as Nações Unidas adotarem, no começo de agosto, um sétimo pacote de sanções, Pequim anunciou que também iria suspender suas compras de minerais de ferro, chumbo e produtos do mar norte-coreanos.

As exportações chinesas ao regime de Pyonyang também caíram: em junho, foram 299,8 milhões de dólares, queda de mais de 8% em relação a junho. Contudo, em termos interanuais, há uma alta de 55%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.