• AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 65,60 -2.54
  • ABCB4 R$ 16,77 -3.29
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,76 0.56
  • AGRO3 R$ 30,82 -0.06
  • ALPA4 R$ 20,33 -1.98
  • ALSO3 R$ 19,01 -0.47
  • ALUP11 R$ 26,70 0.38
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,82 -2.36
  • AMER3 R$ 23,38 1.26
  • AMZO34 R$ 65,70 -1.82
  • ANIM3 R$ 5,44 -1.27
  • ARZZ3 R$ 80,01 -1.47
  • ASAI3 R$ 15,85 2.59
  • AZUL4 R$ 20,92 -1.51
  • B3SA3 R$ 12,00 1.61
  • BBAS3 R$ 36,68 2.75
  • AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 65,60 -2.54
  • ABCB4 R$ 16,77 -3.29
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,76 0.56
  • AGRO3 R$ 30,82 -0.06
  • ALPA4 R$ 20,33 -1.98
  • ALSO3 R$ 19,01 -0.47
  • ALUP11 R$ 26,70 0.38
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,82 -2.36
  • AMER3 R$ 23,38 1.26
  • AMZO34 R$ 65,70 -1.82
  • ANIM3 R$ 5,44 -1.27
  • ARZZ3 R$ 80,01 -1.47
  • ASAI3 R$ 15,85 2.59
  • AZUL4 R$ 20,92 -1.51
  • B3SA3 R$ 12,00 1.61
  • BBAS3 R$ 36,68 2.75
Abra sua conta no BTG

Coca e Pepsi, tremei: o imposto do refrigerante deu certo

Única cidade americana que aplicou imposto sobre refrigerante teve queda forte no consumo, mas situação internacional é um pouco mais complicada
 (Sxc.hu)
(Sxc.hu)
Por João Pedro CaleiroPublicado em 26/08/2016 06:04 | Última atualização em 26/08/2016 06:04Tempo de Leitura: 9 min de leitura

São Paulo - Berkeley, na Califórnia, é a única cidade dos Estados Unidos que já implementou um imposto sobre bebidas açucaradas como refrigerantes e chás doces.

A taxa é de um centavo por onça (cerca de 30 mililitros), o que acaba dando cerca de 20 centavos de dólar para uma garrafinha de 600 ml. 

A cobrança foi aprovada pelos eleitores em novembro de 2014, entrou em vigor em março de 2015 e já dá sinais de estar funcionando.

Um estudo publicado no American Journal of Public Health nessa terça-feira comparou o consumo de refrigerante em bairros de baixa renda da cidade entre abril e julho de 2014 e abril e agosto de 2015 .

O resultado: queda de 22% no consumo, enquanto áreas com perfis similares nas vizinhas São Francisco e Oakland tiveram alta de 4% no mesmo período. Os mecanismos não estão claros:

"Não sabemos se a redução é resultado do aumento de preços ou um reflexo da maior conscientização resultante de uma campanha bem-sucedida sobre o imposto", diz Jennifer Falbe, pesquisadora de pós-doutorado da Escola de Saúde Pública da University of California-Berkeley, que liderou o estudo.

Iniciativas

Em junho, um imposto do refrigerante foi aprovado na Filadélfia, a mais pobre das grandes cidades americanas. Pesou também um incremento estimado de US$ 91 milhões na arrecadação com destino carimbado para a educação.

Dezenas de cidades americanas já tentaram e fracassaram ao tentar implementar impostos do tipo.

Quando era prefeito de Nova York, o bilionário Michael Bloomberg tentou - sem sucesso - banir refrigerantes gigantes na cidade. 

Países como Noruega, França e Finlândia também tem taxação extra sobre bebidas com açúcar. O Reino Unido aprovou o seu em março, mas o caso mais curioso é do México.

O país é o maior consumidor de refrigerante per capita do mundo - quase meio litro por dia, em média - e já ultrapassou os Estados Unidos como o país mais obeso do planeta.

Os primeiros números depois do novo imposto mostravam uma queda forte no consumo, mas recentemente houve nova alta - alívio para os fabricantes do setor, que gastam milhões em campanhas e recursos contra os novos impostos.

Uma das críticas comuns a essas taxas é que elas são regressivas já que os mais pobres são os principais consumidores de refrigerante (mesmo caso do cigarro).

Acontece que as doenças também são "regressivas" e mais comuns nessa faixa da população, que sofrem com o problema adicional de falta de tratamento.

No final, o sucesso ou fracasso só poderá ser avaliado no longo prazo, quando ficarem claros os efeitos desses impostos sobre a obesidade e a saúde pública.