BC prevê superávit primário de 2,1% do PIB em 2014

O valor é justamente a meta estabelecida pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega

Brasília - O Banco Central previu um superávit primário das contas do setor público de 2,1% em 2014 para manter estável a relação entre a dívida líquida do setor público e o Produto Interno Bruto (PIB). Esse valor é justamente a meta que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que ia perseguir quando encaminhou ao Congresso Nacional a proposta de Lei Orçamentária de 2014.

O valor, no entanto, ainda não foi confirmado pelo ministro, que esta semana disse que só no início do ano que vem divulgará a meta a ser perseguida pelo governo no ano que vem.

Para 2015, o superávit requerido, segundo o BC, é de 2,2% e de 2% em 2016. A média no período, segundo o BC, é de 2,1%. As projeções estão no Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta sexta-feira, 20.

No documento, o BC reafirma que considera nas suas projeções como indicador fiscal o superávit primário estrutural, que segundo a instituição deriva das trajetórias de superávit primário para 2013, 2014 e 2015 previstas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

No Relatório, o BC reforça o discurso de a geração de superávit primários contribuiria para arrefecer o descompasso entre as taxas de crescimento da demanda e da oferta; de outro, contribuiria para criar uma percepção positiva sobre o ambiente macroeconômico no médio e no longo prazo.

Nesse sentido, segundo o BC o indicador fiscal utilizado nas projeções de inflação (o superávit primário estrutural) tenderia a manter certa estabilidade. "Portanto, com impulsos fiscais (a variação do superávit primário estrutural entre dois períodos) de magnitude desprezível.

Em termos de impactos sobre a demanda agregada, o Comitê avalia que se criam condições para que o balanço do setor público se desloque para a zona de neutralidade no horizonte relevante para apolítica monetária", afirma o BC.

Polêmica

O BC repetiu avaliação que foi criticada no último relatório de que hoje não se faz necessária a geração de superávit primários de ampla magnitude. Para o BC, entretanto, superávits primários em patamares próximos à média dos gerados em anos mais recentes são necessários para manter a dívida pública em trajetória sustentável.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.