A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Argentina garante que crise do peso é conjuntural e logo "será história"

Ministro de Produção, Francisco Cabrera, atribuiu recente perda de valor da moeda local a efeito da alta dos juros nos Estados Unidos

Buenos Aires - A forte desvalorização do peso argentino registrada nas últimas semanas é uma "questão conjuntural", fruto da alta dos juros nos Estados Unidos, e "em poucos dias será história", segundo garantiu nesta sexta-feira Francisco Cabrera, ministro de Produção do governo de Mauricio Macri.

"Para nós não é um problema que se ajuste a taxa de câmbio, mas o que não pode acontecer é que haja situação de crise", ressaltou o ministro à imprensa após participar junto com o presidente Mauricio Macri de uma reunião na residência presidencial de Olivos, na periferia norte de Buenos Aires, com uma dezena de empresários.

Desde o último dia 25 de abril, o peso argentino se desvalorizou 15,6% frente ao dólar - apenas hoje retrocedeu 2,59% -, o que transtornou fortemente o setor político, econômico e social do país e obrigou o governo a começar a negociar créditos com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e outros organismos para atenuar as consequências.

"Entendemos que é uma questão conjuntural, que em poucos dias será história, e nós temos que preocupar-nos com isto que estivemos fazendo nestes últimos meses, que é fazer a economia crescer", acrescentou Cabrera.

Consultado se esta situação vai se ver refletida em uma eventual alta de preços cotidianos - que piorasse a já alta inflação -, o ministro de Produção reconheceu que "há produtos dolarizados" por serem alimentos que o país exporta, como trigo, milho e farinha, "que é possível que sejam mudados".

O final da semana coincide com a volta de Washington do ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, onde se reuniu com a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, para iniciar as negociações de um acordo para enfrentar a crise cambial.

Cabrera indicou que na reunião com empresários, convocados por Macri para tratar uma ampla diversidade de temas, se tratou a "situação do acordo com o FMI", que lembrou que "tem a ver com a particularidade do desânimo que o mercado cambial viveu nestes dias".

"Todos estiveram de acordo e lhes pareceu razoável fortalecer a posição do programa financeiro argentino com um crédito preventivo do FMI que nos permita ter maior solidez e contornar esta situação, que tem a ver com um programa de liquidez, mas não de solvência que está tendo a economia argentina", salientou.

Concretamente, o ministro ressaltou que a solvência tem a ver com a porcentagem de dívida que há sobre o Produto Interno Bruto, mas destacou que na Argentina essa porcentagem é "muito baixa".

"A Argentina é um país ultrasolvente, com uma dívida muito baixa. O que tem é um problema de liquidez porque, perante a eventualidade de um aumento de taxas dos EUA, sabíamos que os mercados emergentes teriam uma saída das moedas locais para o dólar, que é o que ocorreu", concluiu. EFE

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também