Xangai alerta para ressurgimento de covid com aumento de casos

Se as infecções continuarem, os habitantes da cidade correm o risco de voltarem para o sistema de medidas restritivas mais duras
 (Noel Celis/AFP)
(Noel Celis/AFP)
B
BloombergPublicado em 06/06/2022 às 10:54.

A capital financeira da China alertou para um ressurgimento de covid e reforçou a capacidade de testes à medida que os casos reaparecem na comunidade e os moradores começam a se movimentar mais livremente após a flexibilização da maioria das restrições.

Xangai relatou sete novas infecções por covid fora dos locais de quarentena determinados pelo governo na quinta-feira - a maior contagem dos chamados casos comunitários desde que autoridades começaram a afrouxar as restrições, depois de declarar o fim da disseminação. Houve mais três casos fora do isolamento na sexta-feira.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Autoridades disseram que existe o risco de o vírus ressurgir. A cidade adicionará mais cabines de testes, aumentará as equipes nos locais mais movimentados e estenderá os tempos de serviço. Os moradores ainda precisam de um resultado de teste negativo recente para acessar o transporte público, entrar em shoppings ou ir ao escritório.

O retorno da disseminação na comunidade traz o risco de uma repressão renovada, com a China ainda dedicada à sua política Covid Zero, mesmo que a maior parte do mundo aceite o vírus como endêmico.

Ao tentar tranquilizar os moradores de que a cidade está focada em retornar à vida normal, Wu Jinglei, chefe da comissão municipal de saúde de Xangai, disse que “ainda existem riscos de que os casos possam voltar a subir” e que as autoridades executarão rigorosamente as regras de prevenção.

As novas infecções subiram para 74 em toda a China na quinta-feira, ante 61 na quarta. Mesmo assim, é uma melhora acentuada em relação às dezenas de milhares de casos relatados diariamente na primeira quinzena de abril, quando o surto de Xangai parecia estar fora de controle.

A queda dramática nas infecções em todo o país de um pico de quase 30.000 em meados de abril será vista como prova de que o presidente Xi Jinping está traçando o curso certo. O líder da China fez do Covid Zero uma pedra angular de seu governo, enquanto busca um terceiro mandato sem precedentes no congresso do Partido, previsto para o final deste ano.

Epicentro original do coronavírus, a China alardeou o que vê como seu triunfo sobre o patógeno, com sua abordagem rigorosa levando a um dos menores números de mortes do mundo, especialmente em comparação com os EUA, com mais de 1 milhão de mortes.

Mas tentar manter o país livre do vírus – especialmente diante de variantes mais contagiosas – tem um preço alto, com a China isolado do resto do mundo e a maioria dos economistas prevendo que não conseguirá cumprir suas metas de crescimento este ano.

As fábricas foram fechadas por meses em alguns casos, e as cadeias de suprimentos foram freadas quando a China implantou uma cartilha de restrições de movimento, testes em massa e isolamento obrigatório de todos os casos de covid e seus contatos próximos.