Pesquisa indica centenas de medicamentos potenciais contra covid-19

O estudo buscou dar novo propósito a drogas, como o Remdesivir, para combater a infecção pelo novo coronavírus

Pesquisadores identificaram centenas de medicamentos que têm potencial para tratar a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O estudo foi feito na Universidade da California, Riverside, e contou com o auxílio da tecnologia conhecida como aprendizagem de máquina, que consiste no uso de um algoritmo que imita o processo de aprendizagem humana, mas com a eficiência de uma máquina.

O estudo buscou dar novo propósito a drogas, como o Remdesivir, para combater a infecção pelo vírus. Os pesquisadores programaram o software com base em 65 proteínas humanas conhecidas por interagir com o novo coronavírus. Foram analisadas 10 milhões de moléculas já comercialmente aprovadas para uso que poderiam combater a infecção viral. A partir dessa amostra, os pesquisadores chegaram a um conjunto de possíveis tratamentos medicamentosos contra a covid-19.

 

 

“Os 65 alvos proteicos são bastante diversos e estão implicados em muitas outras doenças também, incluindo câncer”, disse Joel Kowalewski, estudante que atuou no estudo conduzido por Anandasankar Ray, professor de biologia de sistemas, molecular e celular.“Além dos esforços de reaproveitamento de medicamentos em andamento contra esses alvos, também estávamos interessados em identificar novos produtos químicos que atualmente não estão bem estudados”.

A pesquisa apontou centenas de possibilidades e, agora, os pesquisadores buscam financiamento para continuar o estudo com o auxílio da tecnologia.

Vacina e tratamentos

O novo coronavírus ainda é causadora de uma infecção sem cura ou prevenção. Por conta disso, diversos países continuam adotando medidas de distanciamento social e buscando formas criativas para uma volta gradual da normalidade, como shows em formato drive-in ou em cercadinhos.

O Organização Mundial da Saúde lista mais de 160 projetos de vacinas, menos de dez na fase 3, a mais avançada de testes. Faltam, também, medicamentos específicos para tratar a covid-19, tratada em hospitais como síndrome respiratória aguda grave.

A vacina da Universidade de Oxford, no Reino Unido, feita em parceria com a farmacêutica anglosueca AstraZeneca é a que tem projeção de conclusão mais otimista, estimada para setembro. A Rùssia também anunciou ter criado uma vacina, sobre a qual não revelou muitos detalhes. Com o tempo médio de desenvolvimento de vacinas de 10 anos, mesmo estimativas para 2021 podem ser otimistas. A própria OMS já alertou que, com ou sem vacina, a covid-19 pode nunca desaparecer, assim como outras doenças infecciosas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.