• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Nasa entra em fase de preparativos para lançar o telescópio James Webb

O 'substituto' do lendário Hubble será colocado em órbita no dia 22 de dezembro. A missão é atualizar a capacidade da agência de observar os rincões do universo
O observatório, que possui um espelho primário de 6,5 metros de largura e um guarda-sol do tamanho de uma quadra de tênis, passará a observar o cosmos em luz infravermelha (Reprodução/NASA GSFC/CIL/Adriana Manrique Gutierrez)
O observatório, que possui um espelho primário de 6,5 metros de largura e um guarda-sol do tamanho de uma quadra de tênis, passará a observar o cosmos em luz infravermelha (Reprodução/NASA GSFC/CIL/Adriana Manrique Gutierrez)
Por André LopesPublicado em 14/12/2021 14:45 | Última atualização em 16/12/2021 12:45Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Atualização: A Nasa adiou o lançamento do telescópio e informou que não será antes do dia 24 de dezembro, mas a nova data e o novo horário ainda não foram divulgados.

Frente às recorrentes falhas de operação do telescópio Hubble, que presenteou a humanidade por 32 anos com imagens que detalharam a magnitude do universo e suas galáxias, a Nasa prepara uma nova fase tecnológica para a observação do que está ao além Terra.

No dia 22 de dezembro, é chegada a hora de colocar nos céus o telescópio James Webb, que custou à agência cerca de 10 bilhões de dólares para ser fabricado. Perto do derradeiro momento, o telescópio, que já foi transportado ao edifício de montagem, segue aguardando seu encontro com o foguete Ariane 5, da Arianespace, no Espaçoporto Europeu, Guiana Francesa.

De lá, o novo observatório partirá com a missão de produzir imagens de objetos a incríveis distâncias da Terra, com estimadas 100 vezes mais capacidade que o combalido Hubble. A operação de toda a pesquisa gerada será feita por meio de uma parceria entre as agências espaciais americana e a europeia ISA.

O lançamento do James Webb, que recebe este nome em homenagem ao controverso administrador da Nasa entre 1961 e 1968, é descrito pela agência como "um momento Apollo" – em uma referência às missões Apollo de exploração lunar, que levaram o primeiro homem a pisar na Lua em 1969. Nas palavras da própria Nasa, o telescópio vai "alterar de forma fundamental o nosso entendimento sobre o universo".

Sua posição de trabalho será a 1,5 milhões de quilômetros da Terra, em uma região chamada de Lagrange Terra-Sol L2. Essa distância é necessária para deixa-lo frio e evitar que haja sobrecarga de radiação no equipamento. Aliás, a temperatura recomendada para o bom funcionamento do James Webb é de -223°C.

Assim, dentro de seis meses após o lançamento, quando estiver bem posicionado, o aparelho deve iniciar uma análise que se valerá do recurso dos seus sensores de enxergar a luz infravermelha. Com esse espectro da luz, que é um comprimento de onda mais longo que os outros, o instrumento vai conseguir olhar mais para trás no tempo – e enxergar as primeiras galáxias que se formaram no início do cosmos.

O objetivo é que o telescópio comece a trabalhar bem dentro de dois anos e tenha uma vida útil acima de 10 anos. E, assim como Hubble, que teve pouco contato com astronautas ao longo dos anos, James Webb também terá uma vida sozinha. A Nasa estima que visitá-lo para futuras manutenções não compensaria os custos da missão.