Ciência

Morar perto de áreas verdes rejuvenesce 2,5 anos, aponta estudo

Exposição a espaços verdes já foi associada a uma melhor saúde cardiovascular e a menores taxas de mortalidade

Parque Nacional de Valle de Ordesa: picos de 3.000 metros de altitude e trilhas para mountain bike (Manuel Francos Garcia/Divulgação)

Parque Nacional de Valle de Ordesa: picos de 3.000 metros de altitude e trilhas para mountain bike (Manuel Francos Garcia/Divulgação)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 28 de junho de 2023 às 19h58.

Última atualização em 28 de junho de 2023 às 20h20.

Parques urbanos e espaços verdes ajudam a combater o calor, aumentar a biodiversidade e transmitir uma sensação de tranquilidade na selva urbana.

Eles também ajudam a retardar o envelhecimento biológico, segundo um novo estudo publicado nesta quarta-feira, 28, na revista "Science Advances". De acordo com a pesquisa, pessoas que têm acesso a espaços verdes são, em média, 2,5 anos mais jovens biologicamente do que aquelas que não têm.

"Viver próximo a áreas mais verdes pode fazer você ser mais jovem do que a sua idade real", disse Kyeezu Kim, autor principal do estudo e pesquisador pós-doutorado na Feinberg School of Medicine da Northwestern University, à AFP.

"Acreditamos que nossas descobertas têm implicações significativas para o planejamento urbano, no sentido de expandir a infraestrutura verde para promover a saúde pública e reduzir as disparidades de saúde."

A exposição a espaços verdes já foi associada a uma melhor saúde cardiovascular e a menores taxas de mortalidade. Acredita-se que isso esteja relacionado a uma maior atividade física e interações sociais, mas não estava claro se os parques realmente retardavam o envelhecimento em nível celular.

Para investigar, a equipe por trás do estudo examinou modificações químicas do DNA conhecidas como "metilação".

Trabalhos anteriores mostraram que os chamados "relógios epigenéticos", baseados na metilação do DNA, podem ser bons preditores de condições de saúde, como doenças cardiovasculares, câncer, função cognitiva, além de serem uma maneira mais precisa de medir a idade do que em anos calendário.

Kim e seus colegas acompanharam mais de 900 pessoas brancas e negras de quatro cidades americanas – Birmingham, Chicago, Minneapolis e Oakland – ao longo de um período de 20 anos, de 1986 a 2006.

Utilizando imagens de satélite, a equipe avaliou a proximidade das residências dos participantes em relação à vegetação e aos parques ao redor, e cruzou esses dados com amostras de sangue coletadas nos anos 15 e 20 do estudo para determinar suas idades biológicas.

A equipe construiu modelos estatísticos para avaliar os resultados e controlar outras variáveis, como educação, renda e fatores comportamentais como o tabagismo, que poderiam ter afetado os resultados.

Eles descobriram que pessoas cujas casas estavam cercadas por 30% de cobertura verde em um raio de 5 quilômetros eram, em média, 2,5 anos mais jovens biologicamente em comparação com aquelas cujas casas tinham 20% de cobertura verde.

Os benefícios não foram igualmente distribuídos. Pessoas negras com maior acesso a espaços verdes eram apenas um ano mais jovens biologicamente, enquanto pessoas brancas eram três anos mais jovens.

"Outros fatores, como o estresse, a qualidade do espaço verde ao redor e o suporte social, podem afetar o grau de benefícios dos espaços verdes em termos de envelhecimento biológico", explicou Kim, ressaltando que as disparidades requerem estudos adicionais.

Por exemplo, parques em bairros carentes usados para atividades ilícitas podem ser menos frequentados, anulando os benefícios.

Os próximos passos podem envolver investigar a relação entre espaços verdes e resultados de saúde específicos, acrescentou Kim. Ainda não está claro como exatamente a vegetação reduz o envelhecimento, apenas que ela o faz, concluiu Kim.

O epidemiologista Manuel Franco, da Universidade de Alcalá e Johns Hopkins, chamou a pesquisa de "estudo bem elaborado".

"Temos mais e melhores evidências científicas para aumentar e promover o uso de espaços verdes urbanos", acrescentou Franco, que não esteve envolvido no estudo.

Acompanhe tudo sobre:Parques naturaisBiodiversidadePesquisas científicas

Mais de Ciência

Dia do Amigo: relação é fundamental para a saúde mental, diz psicóloga

Álcool: quanto você pode beber e ainda assim ficar saudável?

Caverna na Lua poderia abrigar humanos; entenda

Mais na Exame