Metade das transmissões da covid-19 ocorre antes dos sintomas, diz estudo

Cientistas afirmam que as medidas de prevenção precisam ser adequadas a essa realidade e não devem ser aplicadas apenas a quem já está contaminado

Um estudo feito por especialistas chineses e publicado nesta quarta-feira, 15, na "Nature Medicine" revela que aproximadamente metade das transmissões da covid-19 ocorre antes de os sintomas da doença surgirem. Ou seja, quando a pessoa infectada ainda não sabe que está doente.

Por isso, recomendam os cientistas, as medidas de controle e prevenção da infecção devem ser ajustadas a essa realidade. Não adianta, por exemplo, que apenas os doentes sejam postos em isolamento. Pessoas aparentemente saudáveis também devem cumprir as medidas de quarentena e distanciamento social.

Os pesquisadores usaram informações sobre os padrões de disseminação viral no organismo de 94 pacientes com a covid-19 e também dados do perfil infeccioso da doença em 77 pares de pessoas, formados pelas infectadas e pelas que passaram o vírus para elas.

Em amostras da garganta, os cientistas observaram que a maior carga viral ocorre no momento em que os primeiros sintomas surgem. A partir dessa informação, eles inferiram que o ápice da capacidade de transmissão do vírus é, justamente, antes dos primeiros sintomas.

Os cientistas constataram que de 46% a 55% dos infectados foram contagiados antes de a pessoa responsável pela transmissão apresentar qualquer sintoma. O levantamento mostra que a transmissão começa a acontecer de 2 a 3 dias antes do surgimento dos sintomas, sendo que o ápice da transmissão seria na véspera.

"Medidas de controle da pandemia devem ser ajustadas para uma realidade de substancial contágio pré-sintomático", escreveram os pesquisadores.

Isso quer dizer que isolamento social, rastreamento de contatos, uso de máscara, aumento das medidas de higiene pessoal, entre outras medidas de prevenção, não serão tão eficazes se forem adotadas apenas por pessoas que já apresentem sintomas.

O estudo cita o exemplo da epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), em 2003. Embora fosse muito mais letal do que a covid-19, com uma taxa de mortalidade que chegava a 10%, a SARS só era transmitida depois do surgimento dos sintomas, o que facilitou a contenção da epidemia.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.