Pesquisadores de Harvard criam máscara que testa covid-19 na respiração

O biossensor vestível pode ser anexado em qualquer máscara facial padrão; teste é comparável ao RT-PCR e demora por volta de 2 horas para sair

Pesquisadores da Universidade de Harvard e do MIT criaram uma máscara facial que testa a respiração para ver se quem usa está com coronavírus.

A equipe de pesquisadores desenvolveu um biossensor vestível que pode ser anexado em qualquer máscara facial padrão.

Os usuários usam ela por 15 a 30 minutos, pressionam um botão no sensor e, 90 minutos depois, os resultados aparecem em um visor semelhante a um teste de gravidez.

"Você não apenas evita que o vírus se espalhe, mas está identificando se o tem ou não de forma relativamente rápida", disse Peter Nguyen, coautor da pesquisa e cientista na Universidade de Harvard.

O estudo por trás da invenção foi publicado na revista científica Nature Biotechnology. A tecnologia é baseada na de "freeze-dried cell-free" (ou wFDCF, nome que foi dado ao produto), desenvolvida em pesquisas anteriores da Wyss Institute, instituto de pesquisa interdisciplinar de Harvard.

A eficácia do teste é comparável aos testes RT-PCR, considerado o "padrão-ouro" para confirmar a presença do vírus da covid-19 no corpo. O dispositivo também é barato, com custo de cerca de cinco dólares para desenvolver o protótipo.

Para criar o sensor, a equipe extraiu e desidratou (pelo método de liofilização) o maquinário molecular que as células usam para identificar material genético, como o DNA e o RNA.

Essa informação atua como uma "impressão digital" para o sensor identificar o vírus, que libera uma pequena quantidade de água para hidratar os componentes que foram desidratados.

A mesma tecnologia pode ser usada para identificar outros patógenos, como a gripe. A equipe afirma que a detecção é tão precisa que a tecnologia é capaz de diferenciar as variantes do vírus SARS-CoV-2, além de que pode ser usada em jalecos de laboratório ou trajes militares, por exemplo, para a detecção de componentes nocivos.

Atualmente, a equipe está procurando parceiros comerciais para produzir o sensor. Talvez o produto não esteja disponível tão cedo, mas futuramente pode ser extremamente útil em países que têm dificuldade em controlar a circulação do vírus ou até para impedir futuras pandemias.

"Ao levar o laboratório até a pessoa, você pode obter uma resolução muito maior de quão rapidamente as pessoas são infectadas", disse Nguyen.

  • Assine a EXAME e fique por dentro das últimas notícias da ciência e da tecnologia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também