Kim Kardashian West e o ecstasy: um lembrete dos perigos sociais da droga

Entenda o que é e quais são os riscos da droga

Kim Kardashian West, que tem uma reputação por desprezar o álcool, discutiu seu uso passado da droga ecstasy em um episódio recente de “Keeping Up with the Kardashians".

"Eu usei ecstasy uma vez e eu me casei... Eu fiz de novo, fiz uma fita de sexo... tipo, tudo de ruim iria acontecer", explicou ela.

Frequentemente ouvimos sobre os perigos associados ao uso de ecstasy. Nós ouvimos sobre os perigos de usar muito, os perigos de superaquecer enquanto dançamos por muito tempo, e de sermos inconscientemente expostos a drogas como "sais de banho", que são comumente misturados na droga. Mas o foco em possíveis danos sociais - que está associado ao uso de drogas em geral - parece ser raro.

Kim involuntariamente construiu um comunicado de serviço público oportuno que ajuda a aumentar a conscientização sobre possíveis danos sociais que podem resultar do uso.

O que é o ecstasy?

O ecstasy, um nome comum para o MDMA, é um estimulante com efeitos empatogênicos, o que significa que aumenta a sensação de “união”, abertura e empatia. O ecstasy tem sido uma das drogas mais populares das festas desde os anos 80 e é bem conhecido por ser a “droga do amor”, já que seus efeitos muitas vezes deixam os usuários se sentindo muito próximos - ou mesmo temporariamente apaixonados - por outros. Como a maioria das drogas, o ecstasy pode prejudicar a tomada de decisões, e um estudo publicado em 19 de novembro de 2018 demonstrou que o uso de ecstasy aumenta a cooperatividade entre pessoas em quem você confia enquanto está dopado.

O MDMA é uma única. Apesar de ser uma droga de Grau I nos Estados Unidos (o que significa, em parte, sem uso médico aprovado atualmente), no ano passado a Food and Drug Administration concedeu uma designação de terapia inovadora para a droga, pois parece ser altamente eficaz no tratamento do transtorno do estresse pós-traumático.

A droga não é tipicamente muito perigosa quando usada de maneira controlada, mas o uso recreativo pode aumentar o risco de dano. Por exemplo, descobriu-se que muitas pílulas de ecstasy em toda a Europa têm doses muito altas e potencialmente letais, e o ecstasy nos Estados Unidos, muitas vezes chamado de “Molly” quando em pó, é frequentemente misturado a outras drogas perigosas, como os “sais de banho”.

Estima-se que cerca de 2% da população dos Estados Unidos entre 12 e 34 anos tenha usado ecstasy no ano passado, mas a prevalência de uso é muito maior entre aqueles que frequentam festas. Por exemplo, estimativas recentes sugerem que um quarto dos que participam de festas de música eletrônica na cidade de Nova York usou ecstasy no ano passado.

Redução de danos

Então, pode-se perguntar - dada a alta popularidade do uso, como as pessoas que usam ecstasy garantem que tenham uma experiência segura? Muitas vezes, algo chamado “redução de danos” é praticado.

A redução de danos é o reconhecimento de que o tratamento para as pessoas que usam substâncias às vezes é mais focado na redução do dano potencial do medicamento ou drogas usadas, em vez de tentar eliminar o uso completamente. Programas de troca de agulhas são um exemplo. A redução de danos é usada quando certos comportamentos são aplicados, ou evitados, para reduzir ou prevenir resultados adversos que possam resultar do uso de uma droga.

Os usuários de ecstasy, por exemplo, são comumente ensinados a se manterem hidratados e a fazer intervalos para descanso enquanto estão dopados. Muitos usuários de ecstasy também testam suas drogas para garantir que estejam usando MDMA real e não adulterantes, como os “sais de banho”.

Mas essas são apenas medidas básicas para ajudar a evitar resultados adversos diretos na saúde. O que falta em grande parte na discussão é a redução dos potenciais efeitos sociais adversos associados ao uso.

Kardashian West sugeriu que o uso do ecstasy era pelo menos parcialmente responsável por suas decisões de se casar e fazer uma fita de sexo. Não se sabe se Kardashian West estava de fato sob o efeito de ecstasy nessas ocasiões, e não se sabe se ela teria tomado a decisão de participar dessas atividades se não estivesse dopada. No entanto, semelhante ao álcool, drogas como o ecstasy podem aumentar o risco de se envolver em comportamentos socialmente lamentáveis.

Pessoas dopadas de drogas como o ecstasy podem baixar a guarda, depositar muita confiança nos outros e se engajar em ações das quais possam se arrepender mais tarde. E a tecnologia complica ainda mais as coisas.

Os telefones celulares, e praticamente todos agora são capazes de fazer gravações, podem facilitar ou agravar ainda mais o risco social. Os telefones celulares já nos proporcionam a oportunidade de deixar mensagens de texto lamentáveis, ligações telefônicas, postagens em mídias sociais ou tirar ou postar fotos ou vídeos lamentáveis. Mas a introdução de drogas que alteram a mente na mistura pode aumentar o risco de tal comportamento lamentável.

Quando uma postagem ou imagem é postada ou compartilhada com alguém, ela pode permanecer disponível permanentemente. De forma alarmante, o “sexting” já é comum entre os jovens, e estima-se que quase um terço já tenha enviado mensagens com conteúdo sexual. Uma droga como o ecstasy, que faz você se sentir sensual e empático, pode aumentar o risco de se envolver em tal comportamento - consensualmente ou não.

E os riscos sociais não são de forma alguma limitados ao sexting. Você pode postar ou dizer algo para alguém que você não deseja compartilhar. E se você estiver em uma foto ou em um vídeo enquanto está drogado, provavelmente não desejaria que seus pais ou chefes o vissem. Quando o uso de drogas é incluído comunicação cotidiana, há um aumento no risco de danos sociais.

O que as pessoas que se divertem em festas precisam ter em mente

Aqueles que decidem usar qualquer droga, legal ou ilegal, precisam manter em mente possíveis riscos sociais ao usá-las. Você pode não fazer uma fita de sexo ou decidir se casar naquele dia, mas vale a pena prevenir qualquer dano social em potencial que possa resultar do alto consumo de uma droga. Se você decidir usar uma droga como o ecstasy, informe-se sobre seus efeitos e como evitar danos potenciais. E deixe de lado a mídia social até que você não esteja mais embriagado.

Joseph Palamar, Professor Associado de Saúde Populacional da New York University Langone Medical Center

Este artigo foi republicado a partir do site The Conversation sob licença Creative Commons. Leia o texto original.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.