Rafa Kalimann: "Após o BBB, passei a me cobrar sobre minhas falas"

Para além do rótulo de ex-BBB e influenciadora, Rafa Kalimann aposta como empresária ao lançar sua marca de roupas, collabs com marcas e também se dedica na carreira de atriz e apresentadora

Ex-BBB é um rótulo que poucos participantes do reality show se apoderam desde as últimas edições do programa. Após a saída, seja através da eliminação, ou como campeões, muitos visam o empreendedorismo. Lançamento de empresas, colaborações com marcas e o comando de programas televisivos são algumas das novas carreiras a serem trilhadas. Para Rafa Kalimann, a segunda colocada no BBB 20, todas as opções mencionadas foram abraçadas.

Aos 28 anos, a mineira conta com 14 anos de carreira. O início foi cedo. Já na adolescência, ao sair de Campina Verde, Minas Gerais, tentou a carreira de modelo em São Paulo. Ainda era Rafaella Freitas Ferreira de Castro Matthaus e queria ser uma em um milhão. Mas ainda não era o momento.

“Essa época me fez ganhar muita experiência. Sou muito grata por eu ter conseguido trazer uma bagagem de vivência muito valiosa para o que eu faço hoje. Hoje em dia, tudo o que eu faço, todos os trabalhos e decisões tem um pouquinho daquela Rafa”, comenta Kalimann em entrevista à Exame. 

Anos se passaram e as redes sociais trouxeram mais do que 15 minutos de fama para alguns. Foi o caso de Kalimann. Termômetro para o reconhecimento e contratos publicitários, o Instagram da empresária conta com 22,2 milhões de seguidores, e é vitrine para sua carreira como influenciadora, apresentadora e empresária. 

Mas também pode ser uma ferramenta autodestrutiva. Para ela, mais do que expressar suas opiniões, é importante ter embasamento em suas falas. “Após minha saída do BBB, passei a me cobrar muito mais sobre minhas falas, e a me aprofundar e entender assuntos para não falar qualquer coisa”. 

A onda dos cancelamentos atingiu Kalimann no começo do ano, quando compartilhou um vídeo de um pastor que se declarava contra o casamento homoafetivo e quando publicou sobre o lado positivo da pandemia. “Todos nós estamos propícios a errar e ninguém sabe tudo, mas sempre quis aprofundar para saber mais. Continuo um pouco receosa com o que eu falo, porque sei que eu atinjo muito muitas pessoas e eu não quero ser irresponsável”, diz. 

Além disso, para ela, há um preconceito com as influenciadoras digitais. “Existe mesmo um preconceito tanto com quem vem das redes sociais, quanto com quem vem de reality shows, mas depende muito da nossa maneira de se colocar diante do público e como passamos essa imagem”. 

Através das redes sociais, também acontece a divulgação dos produtos e marcas da mineira. Como o programa Arena Brahma, a partir da parceria com a Ambev, firmada há cinco anos. Em junho estreou a segunda temporada do programa, com Kalimann ao lado do cantor sertanejo Belutti. No Instagram da marca e dos artistas, a dupla fala sobre o universo sertanejo.

A escolha das marcas parceiras não é aleatória, para Kalimann, é importante firmar parcerias duradouras com as empresas. “Minha meta sempre foi construir uma parceria real, tanto que hoje eu entrei como co-criadora da Brahma”, conta.

Embora pontuais, as parcerias da empresária são grandiosas. Em abril deste ano, assinou a Rosé, linha de maquiagem com a Quem Disse, Berenice?, marca do Grupo Boticário. Os batons, glosses, iluminadores, máscara de cílios e sombras, bateram a meta de vendas na primeira semana de lançamento.

“Eu faço questão de participar de todas as reuniões, apesar de ter uma equipe junto comigo, quero estar perto da criação. Para mim, essa aliança só faz sentido se for desse jeito. É preciso ter abertura para criarmos juntos e para que eu possa comunicar com meu público de forma clara”

Para além das collabs, no ano passado Kalimann lançou a BYRK, sua marca de roupas, em parceria com a amiga e sócia Nayara Marra. “A BYRK é uma forma de levar um pedacinho do que acredito em um formato pensado minuciosamente, desde a escolha de cada modelo, caimento, tecido e cheiro com carinho para você se sentir bem e segura de si”, disse à época do lançamento.

Ainda que com diversos projetos fora da televisão e o encerramento do programa Casa Kalimann, no Globoplay (mesmo com a enxurrada de trechos que viralizavam após os episódios), o maior foco de Kalimann é dar continuidade nos projetos televisivos. “Quero ter uma carreira na TV, estudar para a minha carreira como atriz e como apresentadora”, finaliza Kalimann sobre os próximos 3 anos de contrato com a Globo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também