Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Lucro da Walt Disney supera expectativas com parques e streaming

Os parques temáticos da Disney receberam mais visitantes conforme as restrições por conta da pandemia foram aliviadas

Modo escuro

Disneyland Paris reabre após oito meses. (Gonzalo Fuentes/Reuters)

Disneyland Paris reabre após oito meses. (Gonzalo Fuentes/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 13 de agosto de 2021, 08h56.

Os ganhos da Walt Disney Co superaram as estimativas de Wall Street para o último trimestre, conforme seus serviços de streaming captaram novos assinantes e a unidade de parques temáticos atingida pela pandemia voltou à lucratividade.

A vice-presidente financeira da Disney, Christine McCarthy, disse que olhando para frente, as reservas para os dois parques temáticos da empresa nos Estados Unidos continuam em alta, mesmo com o aumento de casos da Covid-19.

"Estamos otimistas com o crescimento do nosso setor de parques", afirmou o presidente-executivo, Bob Chapek, em uma teleconferência com analistas. Atualmente as reservas estão ultrapassando a taxa de frequência para o trimestre que terminou, disseram executivos.

O Estado da Flórida, onde fica o Walt Disney World, principal complexo de parques da marca, está no epicentro da nova onda de casos de Covid-19 nos Estados Unidos, registrando números recordes de casos e hospitalizações nos últimos dias.

A Disney está mais otimista do que outras empresas sobre o impacto da variante Delta sobre suas operações. A Southwest Airlines e a empresa de locação de casas para temporada AirBnB alertaram que o disparo no número de casos poderia atingir seus negócios.

De abril a 3 de julho, a Disney registrou um lucro de 0,80 dólar por ação, excluindo certos itens. Wall Street esperava 0,55 dólar por ação, de acordo com a projeção média de analistas consultados pela Refinitiv.

Os parques temáticos da Disney receberam mais visitantes conforme as restrições por conta da pandemia foram aliviadas. A receita para os parques temáticos cresceu pela primeira vez nos últimos cinco trimestres, atingindo 4,34 bilhões de dólares.

O lucro líquido dessa divisão, que inclui produtos de consumo, atingiu 356 milhões de dólares, ante um prejuízo de quase 1,9 bilhão de dólares um ano antes, quando muitos parques da Disney estavam fechados. Os parques dos EUA tiveram um lucro de 2 milhões de dólares, enquanto os parques internacionais tiveram um prejuízo de 210 milhões de dólares.

Disney+, Hulu e ESPN+ --as três plataformas de assinaturas online da empresa-- ganharam cerca de 15 milhões de novos assinantes, totalizando quase 174 milhões. Disney+ tinha 116 milhões de clientes pagantes no final do trimestre, um pouco acima do consenso de 115,2 milhões de analistas pesquisados pela FactSet.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Produtos Recomendados pela Exame

Últimas Notícias

ver mais
Museu do Ipiranga passa a cobrar ingresso; veja valor e quem tem direito a desconto
Casual

Museu do Ipiranga passa a cobrar ingresso; veja valor e quem tem direito a desconto

Há 3 horas
Luxo virtual: grifes se rendem ao e-commerce para expandir mercado
Casual

Luxo virtual: grifes se rendem ao e-commerce para expandir mercado

Há 3 horas
Rubi gigante é leiloado por R$ 170 milhões em Nova York
Casual

Rubi gigante é leiloado por R$ 170 milhões em Nova York

Há 5 horas
Festa Junina no Brasil: veja as melhores cidades para aproveitar o São João
Casual

Festa Junina no Brasil: veja as melhores cidades para aproveitar o São João

Há 7 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais