Estados Unidos parecem ter aceitado a Fórmula 1, diz Hamilton

A F1 teve dificuldade de abrir terreno nos EUA no passado, particularmente depois que uma corrida infame que terminou com apenas seis carros em Indianápolis em 2005 causou um grande estrago em sua reputação
 (Sedat Suna/Pool/Reuters)
(Sedat Suna/Pool/Reuters)
R
Reuters

Publicado em 25/10/2021 às 12:55.

Última atualização em 25/10/2021 às 13:05.

Lewis Hamilton teve de se contentar com o segundo lugar, mas o piloto mais bem-sucedido da Fórmula 1 disse que mesmo assim o Grande Prêmio dos Estados Unidos em Austin, no Texas, no domingo, pareceu uma conquista para seu esporte.

O público de 140.000 pessoas presente no Circuito das Américas superou os 135.000 espectadores das 500 Milhas de Indianápolis em maio — até então o maior evento automobilístico dos Estados Unidos desde o início da pandemia.

O total de espectadores dos três dias da corrida no Texas foi estimado em 400.000.

"Parece que isto é a nossa aceitação nos EUA", disse Hamilton, que venceu cinco vezes em Austin, ao acompanhar as cenas pós-corrida.

"Espero que tenhamos mais corridas aqui, e espero que o esporte continue a crescer, porque dá para perceber que os torcedores são ótimos aqui".

Não houve prova em Austin no ano passado por causa da pandemia de covid-19, mas a F1 terá duas rodadas nos Estados Unidos no ano que vem, quando Miami estreia no calendário.

Também se fala de uma nova expansão, e Las Vegas é vista como a candidata mais provável.

Embora não existam pilotos americanos no grid, desde 2017 a modalidade é de propriedade da Liberty Média, que tem sede nos Estados Unidos e visa o país como uma área de crescimento essencial.

A F1 teve dificuldade de abrir terreno nos EUA no passado, particularmente depois que uma corrida infame que terminou com apenas seis carros em Indianápolis em 2005 causou um grande estrago em sua reputação.

O final de semana no Texas ofereceu indícios suficientes da popularidade crescente da F1, e muitos creditam a série documental da Netflix Drive to Survive, que atualmente filma sua quarta temporada.

"Acho que a Netflix é excepcional para a Fórmula 1. Ela estimula uma base de torcedores mais jovem, estimula uma base de torcedores mais jovem muito maior. Ela realmente teve impacto na América", disse Zak Brown, o chefe americano da McLaren.

Toto Wolff, chefe da Mercedes, de Hamilton, concordou.

"Não estávamos animados com a Netflix no começo, porque queríamos nos concentrar no desempenho na pista, e eu estava errado. Está claro que é um grande sucesso", disse.