A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Efeitos das mudanças climáticas turbinam produção de café nos EUA

Produtores tradicionais de café, como Colômbia, Brasil e Vietnã, sofreram o impacto do calor extremo e da mudança nos padrões de chuva

O fazendeiro David Armstrong terminou recentemente de plantar o que é provavelmente a safra mais difícil que sua família já cultivou desde que seus ancestrais começaram nas atividades agrícolas em 1865: 20.000 pés de café. Mas Armstrong não está nos trópicos da América Central - ele está em Ventura, Califórnia, a apenas 97 km do centro de Los Angeles.

"Acho que agora posso dizer que sou um produtor de café!" disse ele, depois de plantar as últimas mudas de variedades de café arábica de alta qualidade, tradicionalmente cultivadas em climas equatoriais escaldantes.

O café é amplamente produzido no cinturão cafeeiro, localizado entre o Trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio, onde países como Brasil, Colômbia, Etiópia e Vietnã têm proporcionado o melhor clima para os cafezais, que precisam de calor constante para se desenvolver.

A mudança climática está alterando as temperaturas ao redor do globo. Isso está prejudicando as safras em vários locais, mas abrindo possibilidades em outras regiões. O cenário inclui a Califórnia e a Flórida, onde fazendeiros e pesquisadores estão estudando o cultivo de café.

Armstrong recentemente se juntou a um grupo de produtores que participaram do maior empreendimento de cultivo de café de todos os tempos nos Estados Unidos. O país é o maior consumidor mundial da bebida, mas produz apenas 0,01% da safra cafeeira mundial --sendo toda a produção no Havaí, um dos únicos dois Estados norte-americanos com clima tropical, junto com o sul da Flórida.

Os produtores tradicionais de café, como Colômbia, Brasil e Vietnã, sofreram o impacto do calor extremo e da mudança nos padrões de chuva. Botânicos e pesquisadores estão procurando plantar variedades de safras mais resistentes para algumas das regiões de cultivo dessas nações.

Maior produtor, o Brasil vive a pior seca dos últimos 90 anos. Isso foi agravado por uma série de geadas inesperadas, que danificaram cerca de 10% das lavouras, prejudicando a produção de café neste ano e no próximo.

SONHO CALIFORNIANO

"Estamos chegando a 100.000 pés", disse Jay Ruskey, fundador e executivo-chefe da Frinj Coffee, empresa que oferece aos produtores interessados ​​no cultivo de café um pacote de parceria que inclui mudas, processamento pós-colheita e comercialização.

Ruskey afirmou que iniciou o plantio experimental de café na Califórnia há muitos anos, mas contou a poucos sobre isso. Ele disse que só "saiu do armário como cafeicultor" em 2014, quando a Coffee Review, publicação que avalia os melhores cafés em cada safra, classificou seu produto, dando ao lote de grãos caturra arábica uma pontuação de 91 em uma escala de 100 pontos.

A Frinj ainda é uma pequena empresa de café voltada para compradores de especialidades sofisticadas. A companhia vende pacotinhos de 5 onças (140 gramas) por 80 dólares cada, em seu site. Como comparação, pacotes de 8 onças de Starbucks Reserve, o café de alta qualidade da rede americana, são vendidos por 35 dólares cada. Frinj produziu 2.000 libras-peso (907 kg) de café de sequeiro este ano em oito fazendas.

"Ainda somos jovens, ainda estamos crescendo em termos de fazendas, capacidades pós-colheita", disse Ruskey. "Estamos tentando manter os preços altos e vendendo tudo o que produzimos. O empreendimento já é lucrativo", acrescentou.

A empresa tem crescido lentamente desde então, com o Smith Hobson Ranch de 2.833 hectares de Armstrong, um dos maiores e mais recentes a ser parceiro de Ruskey.

“Não tenho experiência com café”, disse Armstrong, que normalmente cultiva frutas cítricas e abacates, entre outras safras. Para aumentar suas chances de sucesso, ele instalou um novo sistema de irrigação para aumentar a eficiência do uso da água e plantou as árvores longe de partes da fazenda que foram atingidas por geadas no passado.

O café usa 20% menos água do que a maioria das árvores frutíferas e de nozes, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês). A água tornou-se escassa na Califórnia após as recentes secas e incêndios florestais. Muitos agricultores estão trocando de cultivos para lidar com os limites do uso de água.

Giacomo Celi, diretor de sustentabilidade do Mercon Coffee Group, um dos maiores tradings mundiais de café verde, disse que os riscos do cultivo de café em novas áreas são altos. “Parece mais lógico investir em novas variedades de café que possam ser cultivadas nas mesmas geografias atuais”, disse ele.

ESPERANÇA NA FLÓRIDA

À medida que o clima esquenta no sul dos Estados Unidos, pesquisadores da Universidade da Flórida (UF) estão trabalhando com um plantio piloto para ver se as árvores sobreviverão naquele Estado. Cientistas acabam de mover mudas de cafezais do tipo arábica cultivadas em uma estufa para a área exterior, onde ficarão expostas, criando o risco de que as plantas sejam mortas pelo frio quando o inverno chegar.

"Será a primeira vez que elas serão testadas", disse Diane Rowland, pesquisadora líder do projeto. Ele afirmou que os pesquisadores estão plantando cafezais próximos aos citros, uma técnica de consórcio usada em outras partes do mundo, já que árvores maiores ajudam a conter os ventos e fornecem sombra as lavouras de café.

O projeto, no entanto, é mais do que apenas o cultivo do café. Alina Zare, pesquisadora de inteligência artificial na Faculdade de Engenharia da UF, disse que os cientistas também estão tentando melhorar a forma de estudar o sistema de raízes das plantas. Isso, por sua vez, poderia ajudar na seleção das variedades de café ideais para a região no futuro.

De acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, a agência meteorológica dos EUA, as temperaturas médias anuais foram de pelo menos 1,1 grau Celsius (C) acima da média por mais da metade do tempo nas estações de medição de longo prazo, na região sudeste dos Estados Unidos em 2020.

A Flórida experimentou um calor recorde no ano passado, com temperaturas médias de 28,3 graus C em julho e 16,4 graus em janeiro. Isso é mais quente do que a área de Varginha, em Minas Gerais, a maior região produtora de café do mundo, que tem uma média de 22,1 graus no mês mais quente e 16,6 graus no mais frio.

“Com a mudança climática, sabemos que muitas áreas do mundo terão dificuldades para cultivar café porque estará muito quente, então a Flórida pode ser uma opção”, disse Rowland.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também