Casual

Como o Adidas Samba virou o tênis do momento após 70 anos

Da Copa do Mundo de 1950 ao TikTok, uma soma de fatores explica o sucesso do tênis que nasceu como chuteira

Adidas Samba: após 70 anos, tênis é sucesso pelo mundo. (Edward Berthelot/Getty Images)

Adidas Samba: após 70 anos, tênis é sucesso pelo mundo. (Edward Berthelot/Getty Images)

Júlia Storch
Júlia Storch

Repórter de Casual

Publicado em 13 de abril de 2024 às 10h16.

Há algumas temporadas o Adidas Samba tem tomado conta dos pés do mundo. O tênis criado em 1950 e com nome remete ao Brasil, é um dos calçados mais vendidos em sites especializados, como a Droper. Uma soma de fatores explica o sucesso do tênis que nasceu como chuteira.

A história é antiga. Na década de 1940, Adi Dassler, alemão fundador da Adidas, decidiu desenvolver uma chuteira para uso na neve. O calçado seria feito com couro de canguru. No entanto, a peça só foi lançada em 1950, e para aproveitar a visibilidade da Copa do Mundo que aconteceria naquele ano no Brasil, o tênis foi batizado de Samba, em homenagem ao país-sede.

Feito com travas para ser usado no gramado, o tênis foi adaptado para o futebol de salão e posteriormente passou a ser usado por torcedores dos ingleses em 1980.

O sucesso do modelo da Adidas também atingiu artistas da época como Freddie Mercury, que usou o tênis durante a apresentação do Queen no Live Aid em 1985.

A tendência do estilo de futebol dos anos 80, hoje é recordada em vídeos no TikTok, com looks de camisetas de clubes, calças largas e Adidas Samba nos pés.

Do esporte ao streetwear

Nos últimos anos, tênis de outras décadas voltaram à moda. A New Balace, por exemplo, apostou nos anos 1990 e se tornou queridinha da Geração Z.

Enquanto o sucesso do Samba aconteceu para muitos jovens através da colaboração da Adidas com a designer Grace Wales Bonner, com versões do tênis que custam até 4.000 libras (25.576 reais) em alguns sites.

A sacada da Adidas foi então expandir a cartela de opções para o Samba, com estampas de onça e em diversas cores, do verde claro ao pink assinado por Lionel Messi em homenagem ao Inter Miami, e até em colaboração com a Heineken.

Tênis em colaboração da Heineken com Adidas

Tênis em colaboração da Heineken com Adidas: celebração de aniversário (Heineken/Divulgação)

No site da Adidas no Brasil há mais de 60 opções do modelo com preços que variam de 549,99 reais a 999,99 reais.

As chances do tênis combinar com o estilo e ser aceito por uma parcela maior dos consumidores aumenta com tamanha variedade de cores e estampas.

No entanto, nem sempre a aquisição de peças que estão em alta fazem sentido para os consumidores. Segundo o livro Nudge - Como tomar melhores decisões sobre saúde, dinheiro e felicidade, "As pessoas apresentam uma forte tendência a seguir o status quo ou a aceitar a opção-padrão". Ou seja, muitas vezes a escolha de compra acontece sob forte influência das redes sociais, seja por sugestões de compra do algoritmo ou por vídeos de influenciadores, e nem sempre casam com o estilo do usuário.

No TikTok, há milhares de vídeos com sugestões como montar um look usando o tênis, avaliações e unboxing dos pares de sapato, flagrantes de pessoas usando diferentes cores de Samba pelas ruas de Seual a São Paulo.

As pesquisas por “Adidas Samba” em todo o Reino Unido mais do que duplicaram nos últimos dois anos, segundo o Google Trends.

Segundo o site Droper, especializado em venda de sneakers, as redes sociais desempenham um papel significativo na formação das tendências e na disseminação da cultura sneaker. Plataformas como Instagram e TikTok têm amplificado a visibilidade de modelos específicos, influenciando as escolhas dos consumidores e ditando o que é considerado "cool" e relevante, ao mesmo tempo em que define o que está saturado, de certa forma.

No entanto, enquanto parece que a Adidas tem aproveitado os 15 minutos de fama do Samba, o modelo está nos pés do mundo há mais de 70 anos.

Acompanhe tudo sobre:ModaTênis (calçado)AdidasTendênciasDécadas de estilo

Mais de Casual

Mercado de luxo desacelera e lucros da Burberry desabam 40% em um ano

Jeddah Tower: conheça o prédio que será o maior do mundo, na Arábia Saudita

Arquitetos indicam iniciativas para reconstrução de casas no RS

Chefs revelam quais pratos e receitas marcaram suas vidas

Mais na Exame