Invest

Fim da parceria com Kanye West pesa e Adidas registra primeiro prejuízo em 30 anos

A pedra no sapato da marca é a luta para se reerguer desde que cortou os laços com o rapper Ye,, com a suspensão das vendas da linha de tênis altamente lucrativa Yeezy

Ye: rapper teve parceria de nove anos com Adidas finalizada após comentários antissemitas (Foto/Getty Images)

Ye: rapper teve parceria de nove anos com Adidas finalizada após comentários antissemitas (Foto/Getty Images)

Publicado em 13 de março de 2024 às 08h31.

Última atualização em 13 de março de 2024 às 08h33.

A gigante alemã de artigos esportivos Adidas reportou a sua primeira perda líquida anual desde 1992. Em 2023, a empresa registrou prejuízo de 58 milhões de euros, mas afirmou que seu conselho proporá um dividendo inalterado de 0,70 euros ($0,7650) por ação.

Mas ainda vem mais tempestade: a empresa alertou que as vendas na América do Norte devem cair novamente, já que varejistas nos EUA estão lutando contra estoques elevados.

A pedra no sapato da Adidas é a luta para se reerguer desde que cortou os laços com o rapper Ye, antes conhecido como Kanye West, em outubro de 2022, com a suspensão das vendas da linha de tênis altamente lucrativa Yeezy.

A empresa tinha uma parceria de sucesso de nove anos com o artista, mas a marca encerrou a ligação com West após ele elogiar Adolf Hitler e usar camisetas com os dizeres White Lives Matter (Vidas Brancas Importam). Além disso, a Adidas reservou 140 milhões de euros para doações a instituições que combatem o antissemitismo e o racismo.

Leia também: Twitter suspende Kanye West após mensagens de apoio a Hitler

No primeiro ano do CEO Bjorn Gulden no cargo, ele retomou as vendas de tênis Yeezy para liquidar o estoque remanescente enquanto buscava impulsionar produtos populares como os tênis Samba e Gazelle, e melhorar os relacionamentos com os varejistas.

A Adidas obteve 750 milhões de euros em receita com as vendas de Yeezy no ano passado, resultando em um lucro de 300 milhões de euros. No mês passado, a empresa estabeleceu expectativas baixas para seus produtos Yeezy restantes, dizendo que venderia os tênis "pelo menos a preço de custo". Ela lançou sua última coleção em 26 de fevereiro.

As ações da Adidas tiveram uma recuperação, superando a Nike e a Puma desde que ele assumiu o cargo. "Embora de longe não seja bom o suficiente, 2023 terminou melhor do que eu esperava no início do ano", disse Gulden.

A América do Norte continuará fraca, no entanto, com a Adidas esperando que as vendas caiam cerca de 5% este ano. A baixa demanda e os altos níveis de estoque nos EUA têm pesado sobre as empresas de artigos esportivos e vestuário, com marcas oferecendo descontos para liquidar o estoque.

A Adidas disse que as vendas na América do Norte caíram 21% no quarto trimestre e 16% ao longo do ano. As ações da Adidas caíram 1% até as 09h30 GMT.

A Adidas está arriscando que pode recuperar participação de mercado dos rivais mesmo enquanto o apetite geral dos consumidores por artigos esportivos diminui. A Nike anunciou no mês passado que cortaria 2% de sua força de trabalho total, ou mais de 1.600 empregos, para reduzir os custos conforme a demanda enfraquece.

A Adidas se beneficiou de uma tendência por tênis "terrace" de camurça de baixa elevação, como os Samba e Gazelle, e aumentou a produção no ano passado. Essa tendência ajudou as vendas de calçados a crescerem 8% no quarto trimestre, enquanto as vendas de vestuário caíram 13%.

Na China, a Adidas espera uma recuperação mais forte, com vendas crescendo a uma taxa de dois dígitos após um aumento de 8% em 2023.

Acompanhe tudo sobre:AdidasKanye WestResultado

Mais de Invest

Jeff Bezos: confira o perfil do fundador da Amazon

Caixa Econômica Federal tem lucro recorrente de R$ 2,9 bi no 1º trimestre

Bolsa Família 2024: pagamento de maio começa na sexta-feira; veja calendário e quem recebe

JBS (JBSS3): melhora de margem impressiona e ação lidera alta do Ibovespa

Mais na Exame