Comic Con de NY começa presencialmente, em meio a desafios da pandemia

Conferência tenta mudar cenário da retomada lenta para eventos presenciais
Cosplayer da Comic Con de NY: evento volta a acontecer presencialmente, ainda que em escala reduzida (Getty Images/Daniel Zuchnik)
Cosplayer da Comic Con de NY: evento volta a acontecer presencialmente, ainda que em escala reduzida (Getty Images/Daniel Zuchnik)
Por Thiago LavadoPublicado em 07/10/2021 06:00 | Última atualização em 07/10/2021 00:08Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Tem sido uma retomada lenta para o negócio de eventos presenciais desde o início da pandemia de covid-19. Em meio a protocolos de segurança e preocupação com variantes, a conferências de quadrinhos Comic Con de Nova York é retomada presencialmente nesta quinta-feira tentando mudar esse cenário.

Ao contrário do mercado musical, que tem estourado bilheteria para shows e festivais nos EUA, feiras de negócios têm visto um retorno mais lento. No primeiro trimestre do ano 78% delas foram canceladas, 14% adiadas e apenas 8% ocorreram como planejado.

O evento desta quinta-feira tenta mudar esse paradigma, apesar de ter sido anunciado em um período que a vacinação caminhava nos EUA e a variante Delta era apenas uma notícia vista de longe.

Para aplacar os problemas, a conferência deve ter um misto de programação virtual e presencial que devem trazer novidades nas indústrias de quadrinhos, games, e criação de conteúdo como um todo. Medidas de segurança e modelo híbrido, no entanto, não foram o suficiente para que muitos editores e publicações escolhessem ficar de fora.

Outras conferências gigantes, como a Comic Con de São Diego também deve receber escala reduzida. Já a Comic Con Experience (CCXP), em São Paulo, acontece apenas virtualmente em 2021.

A indústria de convenções do tipo da Comic Con é milionária: no ano passado foram vendidos 1,28 bilhão de dólares em quadrinhos e novelas gráficas na América do Norte e as conferências movimentam fãs, criadores, publishers. As histórias geram outros bilhões de dólares em bilheteria de cinema em adaptações cinematográficas.

Os eventos presenciais devem continuar acontecendo, ainda que em escala reduzida. A experiência em Nova York pode trazer mais detalhes para os organizadores dos que ainda virão.

Não perca as últimas tendências. Assine a EXAME.