Carreira

Inteli investe em intercâmbio de alunos para 6 países, veja como funciona o processo

O tempo de duração do intercâmbio será de 6 meses inicialmente, e será considerada a equivalência das disciplinas

Alunos do Inteli irão ainda este ano estudar tecnologia em universidades no Chile, Croácia, Espanha, Holanda e Israel   (Inteli /Divulgação)

Alunos do Inteli irão ainda este ano estudar tecnologia em universidades no Chile, Croácia, Espanha, Holanda e Israel (Inteli /Divulgação)

Publicado em 26 de junho de 2024 às 18h41.

Última atualização em 26 de junho de 2024 às 19h12.

Tudo sobreCarreira internacional
Saiba mais

O mercado de intercâmbio voltou a crescer no Brasil após a pandemia. Segundo pesquisa da Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio (Belta), quando comparado o ano de 2022 com o ano de 2019 (antes do período da covid-19) os dados do mercado brasileiro surpreenderam com o crescimento médio de 18%. Em 2023 o número também foi muito positivo, com crescimento médio em torno de 21% em comparação ao ano de 2022.

Seguindo essa tendência de mercado, o Instituto de Tecnologia e Liderança (Inteli) irá enviar neste ano 11 alunos para estudar suas áreas em universidades do exterior.

“Vamos enviar no segundo semestre deste ano 11 alunos para que tenham uma experiência internacional em faculdades que são conveniadas com o Inteli, e no início do ao que vem vamos receber alunos internacionais em nossa unidade”, diz Maíra Habimorad, presidente do Inteli.

Para onde vão esses alunos?

Os alunos que irão fazer o intercâmbio, além de comprovarem proficiência no idioma local, passaram por um processo seletivo no Inteli e nas faculdades internacionais.

“Tem faculdade que delega para o Inteli o processo seletivo interno, ou seja, quem indicarmos, eles recebem. E tem faculdades que, além do processo seletivo aqui, fazem o processo seletivo lá fora. Cada faculdade opera à sua maneira”, afirma a presidente do Inteli.

Em relação ao custo com o ensino internacional, os alunos pagarão o mesmo valor da mensalidade do Inteli nas universidades lá fora. Para os bolsistas, a universidade irá ajudar com parte dos custos.

O tempo de duração do intercâmbio será de seis meses inicialmente, segundo a executiva, que reforça que será considerada a equivalência das disciplinas.

“Fizemos um trabalho de garantir presença em diferentes continentes, por isso os alunos foram aprovados em diferentes universidades”, diz Habimorad.

Entre as universidades que os estudantes do Inteli vão, estão:

  • Zuyd University of Applied Science, na Holanda
  • Universidade Católica de Murcia, na Espanha
  • Algebra University, na Croácia
  • Universidade Católica del Norte, no Chile
  • Technion – Israel Institute of Technology, em Israel

Há vários fatores que mostram a importância de um intercâmbio em uma carreira, segundo a presidente do Instituo. “Do ponto de vista acadêmico, é muito relevante para eles viverem outra realidade, e entenderem como que se aprende e se ensina tecnologia fora do Brasil”, diz. “Além disso, há uma vantagem enorme que é praticar um idioma e ter uma experiência internacional é algo que o mercado de trabalho valoriza muito.”

O novo jeito de administrar chegou

O Inteli possui quatro cursos de graduação (engenharia da computação, engenharia de software, sistemas de informação e ciência da computação) e neste ano irá lançar um novo chamado “ADM Tech”.

“É um curso muito interessante porque, na nossa visão, ele traz conhecimentos que um administrador atual precisa ter. Cerca de 40% da carga horária é dedicada à tecnologia”, diz a presidente. “É um curso para o profissional que quer se formar em administração, mas já entendeu que todo negócio se tornou um negócio de tecnologia.”

O administrador que se formar pelo Inteli, terá conhecimento em programar e saberá trabalhar com ferramentas de tecnologia atuais, como inteligência artificial.

Outro programa que a Instituição está apostando é nos cursos executivos, que são contratados sob demanda por empresas.

“São cursos mais pontuais que visam atender executivos de outras áreas, como marketing e finanças, e que precisam aprender, por exemplo, em como usar a ciência de dados para tomar melhores decisões de negócio”, diz a presidente.

A diversidade alcançada pela tecnologia

O Instituto de Tecnologia e Liderança (Inteli) é patrocinado por uma doação de R$ 200 milhões da família Esteves, e conta com apoio institucional do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME). É a primeira faculdade orientada por projetos do país, e por isso as aulas são em grupo, com os dois primeiros anos contando com estudo integral e presencial na cidade universitária de São Paulo.

Atualmente o Instituto conta com 449 alunos matriculados em cursos de graduação (50% com bolsa integral), com estudantes de todas as regiões do país.

“Atualmente, 27% do corpo discente do Inteli são meninas, sendo que a média em outras faculdades de tecnologia é de 11%. Sobre alunos negros, já somamos 36%. Buscamos e queremos alunos diversos que queiram se destacar como líderes no futuro.”

Acompanhe tudo sobre:Carreira internacionalFaculdades e universidadesInteligência artificialTecnologiaCiência de Dados

Mais de Carreira

Ambiente de laboratório: Veja como profissional remoto ou autônomo pode se sentir menos isolado

“Ter inteligência emocional é fundamental para chegar no lugar que deseja”, diz atleta olímpica

Conheça frases que podem te ajudar a lidar com pessoas difíceis no trabalho

Para além do LinkedIn: Geração Z busca agora vagas de emprego no Instagram – próximo alvo? TikTok

Mais na Exame