• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,90 3.62
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,21 0.00
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,25 -0.60
  • ALPA4 R$ 22,77 2.71
  • ALSO3 R$ 19,21 1.91
  • ALUP11 R$ 26,43 -0.26
  • AMAR3 R$ 2,53 -2.32
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,50 3.55
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 82,72 1.78
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,93 -0.10
  • B3SA3 R$ 12,71 2.42
  • BBAS3 R$ 37,03 -1.15
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,90 3.62
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,21 0.00
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,25 -0.60
  • ALPA4 R$ 22,77 2.71
  • ALSO3 R$ 19,21 1.91
  • ALUP11 R$ 26,43 -0.26
  • AMAR3 R$ 2,53 -2.32
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,50 3.55
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 82,72 1.78
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,93 -0.10
  • B3SA3 R$ 12,71 2.42
  • BBAS3 R$ 37,03 -1.15
Abra sua conta no BTG

Empoderamento feminino: a importância de investir em si

EXAME promove uma semana de encontros virtuais e gratuitos para discutir formas de alcançar o protagonismo feminino. Painéis começam na próxima segunda-feira
Embora tenha avançado, a presença de mulheres em cargos de liderança ainda está longe de encontrar um equilíbrio no Brasil (Divulgação/mohamed_hassan/Pixabay)
Embora tenha avançado, a presença de mulheres em cargos de liderança ainda está longe de encontrar um equilíbrio no Brasil (Divulgação/mohamed_hassan/Pixabay)
Por Isabel RochaPublicado em 01/07/2021 14:25 | Última atualização em 29/09/2021 17:39Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Empoderamento feminino. É bastante provável que, com o aumento dos debates sobre diversidade e inclusão nos últimos anos, você tenha se deparado pelo menos uma vez com estas palavras. Mas você sabe, de fato, o que elas significam?

Definido pelo dicionário como a ação de “tornar poderoso”, o termo empoderamento tem a ver com o ato de conseguir domínio sobre a própria vida. Ou seja, estamos falando do ato de conquistar autonomia para a tomada de decisões e para participar ativamente de debates relevantes para si e para a sociedade.

Mas empoderar-se (ou tomar consciência sobre o próprio poder) não é um processo tão simples, especialmente quando falamos de grupos minoritários que, historicamente, encontram mais barreiras sociais na hora de conquistar esse protagonismo. É o caso das mulheres, por exemplo.

A importância do empoderamento feminino

Embora tenha avançado nos últimos anos, a presença de mulheres em cargos de liderança ainda está longe de encontrar um equilíbrio no Brasil. Na edição mais recente da pesquisa “Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil” o IBGE revela, por exemplo, que apesar de terem um nível educacional mais alto que os homens, as mulheres ainda ocupam menos da metade (37,4%) dos cargos de gerência no país.

Mas enquanto os homens seguem dominando os ambientes corporativos, são elas que protagonizam a tomada de decisão dos chamados “trabalhos invisíveis” (e não remunerados), como o trabalho doméstico ou o cuidado com os filhos. Não à toa, as mulheres chegam a dedicar, em média, 21,4 horas semanais aos serviços domésticos, enquanto os homens não gastam nem 12 horas por semana com essas tarefas, ainda de acordo com o levantamento do IBGE.

Além da necessidade de políticas mais inclusivas, esses dados também ajudam a reforçar a importância do empoderamento feminino para que as mulheres consigam ocupar seus espaços no mercado de trabalho e em outros âmbitos da sociedade — como nas esferas política, econômica e social.

“Se as mulheres não sentirem que pertencem verdadeiramente às empresas onde trabalham, que aquele é o lugar delas, nunca vamos avançar nessa pauta de diversidade”, diz Carolina Cavenaghi, cofundadora da Fin4She, plataforma de conexão para mulheres e marcas com o objetivo de promover a equidade de gênero no mercado.

“Essa é uma jornada que começa em nós mesmas. Muitas vezes, a gente espera que essa mudança venha dos outros (que a sociedade e as empresas mudem os cenários e passem a nos enxergar como protagonistas), mas esse processo está dentro de nós também. A gente precisa lutar e se conectar com nós mesmas para que consigamos buscar por esse espaço”, complementa.

Para ela, o processo de compartilhamento de histórias e experiências entre mulheres é fundamental para esse processo, já que ajuda a aumentar o senso de pertencimento entre as mulheres.

É por isso que, no dia 5 de julho, Carolina estará na Jornada da Super Mulher, um evento promovido pela EXAME Academy com o objetivo de promover esse compartilhamento de histórias e de impulsionar o desenvolvimento pessoal e profissional das mulheres.

Dê mais um passo rumo a uma vida pessoal e profissional verdadeiramente abundante. Participe da Jornada da Super Mulher, evento 100% online e gratuito.

Como investir em si mesma: Jornada da Super Mulher

Totalmente gratuito, o evento virtual reunirá um time de especialistas em comunicação e desenvolvimento para conversarem sobre temas importantes para esse processo de emancipação feminina entre os dias 5 e 9 de julho.

Veja abaixo os temas dos painéis:

  • A importância de ser protagonista da própria história e como desenvolver esse papel
  • Como utilizar a comunicação em seu favor no ambiente de trabalho
  • Decifrando pessoas por meio do eneagrama
  • Explorando o storytelling na sua jornada pessoal
  • Mulheres positivas: mulheres que apoiam mulheres

Os encontros fazem parte do Women Empowerment Program (WEP), um treinamento idealizado pela Fin4She em parceria com a EXAME Academy, que também oferece aulas focadas em trabalhar a autoconsciência pessoal e profissional das mulheres.

“Eu me sinto muito feliz e realizada ao participar desse projeto porque sempre aprendo muito. As mulheres contam suas histórias, eu vejo como somos fortes e penso: por que muitas vezes tudo isso fica apagado? Por que a gente tem tanta dificuldade de mostrar as nossas fortalezas?”, questiona.

Carolina conta que o objetivo do projeto é justamente o de combater essa dificuldade que muitas mulheres têm de olhar para a própria história de maneira positiva. “Durante o programa, a gente trabalha muito nesse sentido, para que as mulheres busquem se fortalecer, se conectar e para que consigam se assumir como protagonistas de suas próprias vidas”, conclui.

Veja, abaixo, o depoimento da Daniela Lopes, que já participou de uma das edições anteriores do programa: