Contratar refugiados ajuda na diversidade e é mais fácil do que parece

Especialistas que participaram do Exame Talks sobre a inclusão de refugiados no mercado defendem que desafio é sensibilizar as empresas

Venezuelanos, sírios, angolanos. Essas são algumas das nacionalidades que compõem a legião de refugiados que vieram para o Brasil. Hoje, existem cerca de 300 mil pessoas no país em situação já reconhecida de refúgio ou em processo de reconhecimento, segundo a Agência da ONU para Refugiados. 

Nos últimos anos, a guerra civil síria e a crise econômica que assola a Venezuela foram algumas das causas dessa migração. Como já tem uma política de abrigo, o verdadeiro desafio do país está em garantir a integração dessa população, principalmente na hora de ter acesso ao mercado de trabalho. 

Para vencê-lo, o primeiro passo é reduzir a resistência das empresas em contratar refugiados, de acordo com Paulo Sérgio de Almeida, da Agência da ONU para Refugiados no Brasil. Segundo ele, uma pesquisa de 2019 mostra que 34% da população tem ensino superior ou pós-graduação, mas mesmo assim a inserção é difícil.

Este foi o assunto do Exame Talks "A contratação de profissionais refugiados pelas empresas" desta quinta-feira, que contou com a participação de especialistas do assunto e de uma refugiada.

Por trás dessa barreira, está a falta de conhecimento sobre como é a situação legal de um refugiado. A legislação brasileira garante documentação, como CPF e carteira de trabalho, até para os recém-chegados, que ainda não terminaram seu processo legal de pedir o refúgio.

Eles têm a possibilidade até de ser microempreendedores. Além disso, Paulo Sergio aponta que a revalidação de diplomas do ensino superior é mais um desafio dos empregadores. Segundo a Acnur, apenas 10% da população refugiada está no mercado formal.

Entre os principais benefícios da contração de refugiados estão: mais diversidade nas equipes, inovação e resiliência. Na visão de Paulo Sérgio, refugiados costumam desenvolver inteligência emocional desenvolvida e capacidade de enfrentar dificuldades. Além disso, há mais engajamento e o índice de retenção é melhor. 

Empresas que não podem contratar têm a possibilidade de criar programas de treinamento e ações sociais voltadas para a população.

O diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, Carlo Pereira, defende que as empresas atuem nessa frente:

“O Brasil assinou tratados para que a gente faça acolhimento. Então, é papel das empresas como cidadão corporativo atuar nessa integração. Existe um papel moral”, argumenta. “Uma pesquisa já mostrou que 86% das pessoas acredita que as empresas devem falar sobre temas da sociedade, mesmo que não estejam relacionadas ao seu negócio. 70% entendem que os CEOs devem tomar ações para a sociedade. Há uma expectativa para que as empresas ajudem a endereçar essas questões, como as ambientais e sociais”.

Além dos benefícios para as equipes, como a diversidade, a contratação de refugiados também pode servir de case para as empresas. Esse é o caso do Grupo Renner, que abriu um programa de capacitação para mulheres refugiadas, que já garantiu a contratação de 90 delas.

Eduardo Ferlauto, executivo do grupo, afirma que as políticas de inclusão de refugiados foram bem recebidas pelas equipes. Ele destaca também como é importante a empresa fazer o acompanhamento do processo de integração do funcionário e reforçar qual é a cultura daquele ambiente.

Como o estado de Roraima é o mais afetado pela crise migratória na fronteira da Venezuela, Paulo Sergio de Almeida, da Acnur, entende que é importante “interiorizar” o fluxo migratório de refugiados, ajudando as pessoas a irem para outros estados, onde podem ter mais oportunidades de trabalho.

No Exame Talks desta quinta-feira, a conversa também contou com a presença da venezuelana Elianeth Ramos, que trabalha como auxiliar de logística na Tembici, e é refugiada.

“Eu me senti muito acolhida. Me sinto muito grata. No trabalho, existem valores em comum que nos unem como profissionais."

Assista ao Exame Talks

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.